WEB RÁDIO JESUS A VIDA

segunda-feira, 30 de julho de 2018

ZÉ RONALDO CANDIDATO AO GOVERNO DA BAHIA É BOLSONARO 2018

Após conquistar apoio do PSL na Bahia, Zé Ronaldo elogia Bolsonaro

por Lucas Arraz
Após conquistar apoio do PSL na Bahia, Zé Ronaldo elogia Bolsonaro
Foto: Reprodução / Facebook
O pré-candidato ao Governo do Estado pelo DEM, José Ronaldo, classificou o Deputado Federal Jair Bolsonaro (PSL) como "Determinado" e "Disposto", neste domingo (30), durante a Convenção Estadual do PSL, que selou o apoio estadual da sigla a sua candidatura

“É um cidadão que tem coragem, é determinado, disposto. Para enfrentar um desafio deste, de ser Candidato a Presidente da República, tem que ser determinado. Nenhum outro grupo político tem um trabalho tão ativo, tão espontâneo, como é o de vocês. O povo que aqui está, tem o mesmo desejo meu que é derrotar o PT desse País e recebo com muito prazer o apoio do PSL à minha candidatura”, discursou Zé Ronaldo durante convenção.

O evento contou com participação de candidatos e militantes do PSL e do Vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM). Durante a cerimônia, a Presidente do PSL no Estado, Dayane Pimentel, também discursou em favor da aliança. 

Pessoas como Bolsonaro e José Ronaldo precisam estar à frente da administração pública porque são Família, Cristãos, Conservadores e Fichas Limpa. Pretendemos fazer surgir uma nova política. Nós sabemos do trabalho de Zé Ronaldo. Vamos vencer unidos: o PSL, Jair Bolsonaro e Zé Ronaldo. Nós estamos aqui porque estamos lutando em cima do que acreditamos. Para trazer as caras novas para a política, porque nossos pré-candidatos não tem mandato, não tem fundo partidário, mas tem disposição, Vontade e Verdade”, falou. 

A aliança com o PSL cria uma questão para José Ronaldo. Agora, além de abrir palanque para Geraldo Alckmin, o pré-candidato também pode ter as mesmas obrigações com outro candidato à presidência: Jair Bolsonaro (veja aqui).

Postado do Portal Bahia Notícias:

domingo, 29 de julho de 2018

O PT NA LINHA DO TEMPO: E A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO CRIME DE CORRUPÇÃO...

Pra você, que defende o PT e não conhece a História!

QUAIS PRINCIPIOS VOCÊ DEFENDE???

O PT do Lula cresceu apontando culpados pelos problemas brasileiros.

Primeiro culpou José Sarney, depois Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso.

Por mais de vinte anos, Lula e sua trupe gritaram que o Presidente da República e seu partido têm responsabilidade direta sobre tudo o que acontece no país.

Foi assim que o Partido dos Trabalhadores conquistou o apoio da imprensa, de artistas, dos “intelectuais”, das representações estudantis, dos funcionários públicos, dos sindicatos e movimentos disso e daquilo.

Como solução, os petistas diziam que o Brasil precisava ser governado por pessoas abnegadas e comprometidas com os interesses dos mais pobres.

Não por acaso, essas pessoas eram eles mesmos.

Com esse discurso, o PT chegou ao poder (do qual não queria nunca mais sair, por isso montou uma base aliada que custou a Petrobras, o BNDES, os Correios, o BB, a CEF e 2/3 do dinheiro dos cofres públicos).

Lula teve tudo para construir um país melhor, mais justo, fácil e seguro.

Teve apoio dentro e fora do Congresso.

Contava com aprovação popular na casa dos 80%.

Lula teve dinheiro público aos montes.

A arrecadação do governo federal duplicou em seu governo.

Nenhum outro presidente teve condições tão boas para fazer o melhor, fazer o certo, melhorar o Brasil.

Mas Lula não fez.

Optou por chamar para junto de si todos os integrantes sujos da política nacional que ele tanto criticava, incluindo o PMDB.

Lula Abraçou Sarney, Renan, Ciro, Maluf e Collor.

Repartiu a máquina pública entre (P)MDB e outros partidos aliados.

Para financiar suas campanhas eleitorais e seus militantes, o PT institucionalizou e expandiu a corrupção brasileira a níveis nunca vistos, segundo delatores da Lava Jato.

Lula é o PT. O PT é o Lula.

Foi Lula quem escolheu Dilma para sucedê-lo - uma terrorista, assaltante de banco, armada até os dentes, ignorante pedante sem carisma algum, que nada entendia de nada, mesmo assim "comprou" Pasadena... $$$$$... E quase destruiu a nossa Petrobras.
Foi Lula que chamou Michel Temer para ser o vice dela.

Programas de crédito subsidiado pelo BNDES, emissão de títulos da dívida, Medidas Provisórias, nomeação de diretores em estatais…

Tudo isso depende da assinatura do Presidente da República.

O esquema entre Temer e a JBS foi iniciado e alimentado durante os governos Lula e Dilma.

Lula e Dilma fizeram campanha para Sérgio Cabral e Eduardo Paes.

Lula e Dilma nunca manifestaram interesse em acabar com o foro privilegiado, nem com os super salários e pensões que estão corroendo as contas públicas.

Foram Lula e Dilma que entupiram o estado com militantes e amigos deles.

Depois de 13 anos de PT, os jovens pobres continuam saindo das escolas mal sabendo escrever seus próprios nomes.

Cerca de 27% dos brasileiros são analfabetos funcionais e 30% dos brasileiros nunca leram um único livro na vida.

O PT recebeu um país com taxa de evasão escolar de 7,6% e entregou com 16,5%.

Quando Lula foi eleito, 9,5% dos jovens não trabalhavam.

Quando Dilma saiu, esse percentual estava em 25,8%.

Depois de 13 anos de PT, metade dos domicílios brasileiros continuam sem acesso a rede de esgoto e 30% não têm acesso a água tratada.

Depois de 13 anos de PT, metade dos trabalhadores continua ganhando menos de um salário mínimo por mês, 20 milhões de pessoas ganham menos de R$ 140 e quase 9 milhões de pessoas encontram-se na extrema pobreza com renda abaixo de 70 reais.

Depois de 13 anos de PT, metade dos nordestinos dependem do Bolsa Família para viver.

Depois de 13 anos de PT, mais de 60 mil pessoas são assassinadas por ano e a taxa de elucidação de homicídios chega a ser de 4% no Pará.

Outros 21 estados sequer sabem quantos homicídios são elucidados anualmente.

Nunca antes na história deste país os bancos lucraram tanto quanto nos governos Lula e Dilma.

Ambev, Eike Batista e suas empresas, JBS, Lojas Riachuelo, OAS, Odebrecht e tantas outras grandes empresas foram infladas com dinheiro que o PT roubou dos brasileiros.

O PT roubou mais de R$ 70 bilhões dos funcionários da Caixa Econômica, do Banco do Brasil, da Petrobrás e dos Correios.

Roubou mais de R$ 100 milhões de milhares de funcionários públicos.

Segundo o TCU, 578 mil contratos da Reforma Agrária e mais de 1,1 milhão de cadastros do Bolsa Família estavam irregulares.

Junto com outros partidos, o PT roubou R$ 42 bilhões da Petrobrás.

É preciso repetir: era o PT que ocupava a Presidência da República.

Era o PT que tinha o poder das decisões.

Antes de ser afastada, Dilma cortou bilhões de reais em verbas de todas as áreas.

Considerando que a esquerda acredita que uma pequena minoria da população enriquece às custas da pobreza da grande maioria, devemos concluir que o PT foi o maior vetor de desigualdade social da história desse país.

Pesquisa publicada pelo IPEA mostra que a única parcela da população que teve aumento de renda durante o segundo mandato de Dilma foi a dos super ricos, pessoas com renda acima de R$ 150 mil por mês.

O restante da população teve redução na renda.

Os bancos, por exemplo, lucraram durante o governo Lula oito vezes mais do que no governo de FHC.

A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro só está acontecendo porque durante 13 anos o PT ignorou a pauta, mantendo as fronteiras escancaradas para a entrada de armas compradas por criminosos e incentivando a delinquência.

Durante os governos do PT, a criminalidade explodiu nas regiões mais pobres do Brasil.

No Amazonas, Ceará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Sergipe e Tocantins, o número de homicídios aumentou 100%.

No Rio Grande do Norte, o aumento foi de 232%.

Como se fosse pouca culpa, Lula e o PT ainda se dedicam a atacar a Lava Jato, o que beneficia dezenas de políticos corruptos, incluindo o tucano Aécio Neves.

O PT tem culpa até no colapso econômico da Venezuela, uma ditadura socialista que foi financiada com empréstimos bilionários do BNDES.

O Partido dos Trabalhadores não promoveu “avanços sociais”.

Os “milhões de brasileiros tirados da pobreza” são um golpe de marketing baseado na mudança dos critérios de identificação de classes sociais, a partir do qual só pode ser considerado pobre o cidadão com renda abaixo de R$ 291 por mês..

Acima disso, a pessoa já é “classe média”.

Resumindo, o PT promoveu apenas corrupção e desperdício de dinheiro dos pagadores de impostos em larga escala, resultando na maior recessão da história do país e afetando principalmente os mais pobres..

Portanto, pode gritar: sim, é tudo culpa do PT!

E para finalizar, se você, depois de tudo isso ainda defende o Lula e seus crimes, vai embora desse país, você é um inimigo da Pátria e não merece viver no Brasil!

OU UM INCURÁVEL ALIENADO!

Arthur Costa

sábado, 28 de julho de 2018

DESAPARECIDO É VISTO E ENCONTRADO...

O mistério permanece...

ELENILDO SANTANA - ENCONTRADO
Mensagem enviada à redação do SOP – Blog de Sandoval O Protestante, dão conta homem desaparecido da cidade de Mutuípe, interior da Bahia, no último dia (17/07)Elenildo Santana dos Santos, conhecido como “Leno”, 38 anos que teria se dirigido para Salvador, ficando todos estes dia ficou sem contato com familiares.
Ouve uma informação inicial de que o mesmo teria sido visto em uma panificadora na Baixa dos Sapateiros, Salvador, sem contudo ser confirmado por parentes do mesmo, e hoje nos fora informado que Elenildo está de volta ao lar, onde todos regozijam de alegria pelo seu retorno.
Porém, o mistério permanece: Onde ele esteve? Com quem ele esteve? Porque, ele não tinha dinheiro suficiente, e mesmo retornando, não fez menção deste período que esteve ausente. Chegou com vestes limpas e mantem-se calado. 


RELEMBRE O CASO:

HOMEM QUE SAIU DE MUTUÍPE PARA SALVADOR DESAPARECE, FAMÍLIA PEDIU AJUDA...

Solidariedade. Passe a diante!

sexta-feira, 27 de julho de 2018

PLANO DE CARREIRAS NA IGREJA...


“E ele mesmo chamou uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres.” Ef 4:11



Plano de carreiras na igreja
Plano de carreiras na igreja

Tradicionalmente, para que alguém seja consagrado ao pastoreio é necessário que passe por uma série de consagrações a diversos cargos e funções na Igreja, como se estivesse cumprindo um “plano de carreiras” eclesiástico, em que, a cada nova ascensão há uma promoção eclesiástica até que se atinja, via de regra, o cargo máximo na Igreja, ou seja, o de Pastor. Mas será que há respaldo bíblico para tal, ou esta é apenas mais uma criação humana que mistura o material com o espiritual em uma simbiose confusa e extra bíblica?
De início, façamos uma análise simples e direta do texto escrito pelo Apóstolo Paulo, em sua epístola à Igreja de Éfeso: “ele mesmo chamou uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres” Ef 4:11. Ora, a partir da análise desse texto, verifica-se que não se trata de uma gradação, ou mesmo de pré-requisitos para que se alcance determinado cargo ou função na Igreja. Aproveitemos para deixar as coisas mais claras: ao invés de “cargos” na Igreja, deveríamos falar mais de “chamado” por Deus para o desempenho de atividades delegadas por Ele no seu Corpo. Voltando ao ponto da gradação, se ela existisse nesse texto, então se deveria ser apóstolo antes de pastor? Ou pastor antes de mestre? Definitivamente, gradação não é o significado contido nesse versículo.
Se estamos falando de chamado, as coisas começam a tomar outra conotação. As escolhas passarão a ser mais espirituais, ou ao menos deveriam, onde Deus é quem escolhe e chama cada um para determinado propósito em Seu Corpo. Sendo o chamado de Deus algo certo, definido e pré-determinado pelo Senhor, não faz o menor sentido que alguém peregrine por uma “escada” eclesiástica para que, então, possa ser consagrado ao seu chamado. E o pior é que, muitas vezes, consagra-se alguém para uma função diante do Corpo de Cristo totalmente diferente de seu verdadeiro chamado!
Veja, e apenas para exemplificar, pastoreio tem como principais funções o cuidado de ovelhas, o apascentar ovelhas, a proteção e a direção de um grupo de pessoas colocadas por Deus aos seus cuidados, com base na Palavra e no amor. Já o evangelista tem como atividades principais a pregação do evangelho, o exercício de diversas atividades de evangelismo, sejam de rua, em Igrejas, nos lares, e em todo lugar e tempo. É como se o evangelista saísse a buscar ovelhas para o pastor cuidar e apascentar. É obvio que o evangelista também discipula pessoas, o que não se confunde com o chamado de pastor por parte de Deus. São duas atividades totalmente diferentes, porém complementares. Então, se o chamado de alguém é o pastoreio, por que ele deve primeiro ser consagrado como evangelista? Por que se deve consagrar alguém como evangelista apenas para se cumprir um “plano de carreiras” dentro da Igreja sem que essa seja a vontade de Deus? Por outro lado, por que consagrar alguém como pastor, se o seu chamado é para evangelista? O que falar então dos missionários e presbíteros?
Se o chamado é de Deus, não estaríamos, a partir de uma criação humana, “chamando” alguém para algo que o próprio Deus não chamou? E se Jesus é o Senhor da Igreja, por que nos achamos no direito de chamar alguém para o exercício de algo no Seu Corpo sem que essa seja a vontade do próprio Cristo? Complicado, não?
Outro mito vivido e instituído na Igreja é que há uma hierarquia entre pastores, evangelistas, mestres e profetas. Mais uma vez voltando à nossa baliza de fé (A Bíblia Sagrada), não é o que se vê no texto de Efésios supramencionado. O evangelista não é hierarquicamente inferior ao pastor, o pastor não é hierarquicamente inferior ao mestre, e o mestre não é hierarquicamente inferior ao evangelista. Essa hierarquia é mais uma criação humana. O que há, de fato, é a necessidade de submissão à liderança da Igreja pelo fato de Deus ter colocado tal liderança para cuidar do rebanho, mas não por causa da função eclesiástica em si. Naturalmente, a liderança da Igreja é de um pastor e, em alguns casos, de presbíteros ou missionários.
Veja o exemplo do Billy Graham, homem cheio do Espírito Santo que pregou para quase 200 milhões de pessoas, tinha a função eclesiástica de evangelista. Nunca se intitulou pastor, principalmente porque tinha plena convicção de seu chamado diante de Deus. Será que o fato de Billy Graham não ter sido consagrado ao pastoreio o faz hierarquicamente inferior ao pastor? Será que ele tinha menos unção da parte de Deus por causa disso? Afirmo veementemente que não! Repito, o evangelista e o pastor têm chamados específicos diante de Deus, e não faz nenhum desses melhor ou maior do que o outro. Na verdade, o tipo de hierarquia sobre a qual me refiro (fundada na vaidade e na opressão) é totalmente contrária aos ensinos de Jesus, haja vista que o próprio Mestre disse: o que quiser ser maior, que seja o menor.
Quando se tem uma pessoa cujo chamado é para evangelista, e se consagra ao pastoreio, está-se a extrapolar a vontade e o chamado de Deus, e vice-versa. Infelizmente, existe uma verdadeira “escada do poder” dentro das Igrejas, onde o plano de ascensão já se encontra previamente definido. Muitas vezes, tem-se até o tempo em que o candidato desempenhará tal e tal atividade, até que se chegue ao tão almejado pastoreio, muitas vezes, sem que o chamado de Deus seja esse.
Vejo duas causas para esse equívoco: (1) Falta de certeza diante de Deus, obtida por meio da oração, quanto ao seu chamado por parte do Senhor; e a (2) Instituição de “cargos” a serem obrigatoriamente cumpridos até que se chegue ao desempenho das atividades atinentes ao chamado de Deus.
Enfim, precisamos voltar às Escrituras Sagradas, não internalizando a estrutura hierarquizada e piramidal tão comum nas estruturas seculares. Precisamos entregar a Jesus, de forma verdadeira e sincera, o pleno senhorio da Igreja!
Que Jesus tenha misericórdia de nós!

quinta-feira, 26 de julho de 2018

A NOSSA BENÇÃO VEM DE DEUS…

Cuidado com a aparente vantagem.

Pr. Severino Pedro da Silva*



Resultado de imagem para bençãos e aparente vantagem.Quando estudamos a vida de Abraão e de Ló, descobrimos exemplificados ali, dois tipos de Cristão. O primeiro, representado por Abraão, reflete Aquele crente que confiar inteiramente em Deus, seja qual for a circunstância; o segundo, representado por Ló, que, mesmo justo, confia em Deus valendo-se dos “meios” e das “circunstâncias”. Abraão e Ló saíram juntos a peregrinar numa terra estranha. A Bíblia diz que depois que Deus chamou a Abraão para terminar, ele ficou “... Muito rico em gado, em prata, e em ouro... também Ló que ia com Abraão, tinha rebanhos, e vacas e tendas”. Por esta razão “... não tinha capacidade a terra para poderem habitar juntos; porque a sua fazenda era muita, de maneira que não podiam habitar juntos” (Gn 13.2-6).
Por motivo da terra ser estreita “... Houve contenda entre os pastores do Gado de Abraão, e os pastores de gado de Ló…” Abraão tinha em mente a promessa de Deus para si e para sua posteridade. Nesse ponto, ele não se preocupava com qualquer circunstância ou adversidade: mas sempre estava… “firme, como vendo o invisível”. Segundo ele entendia por aquele que era Deus, sua prosperidade viria sobre ele automaticamente.  Era só esperar! Então ele olha para seu sobrinho Ló e diz: “Ora não haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus pastores, porque irmão somos. Não está toda a terra diante de ti? Eis, pois, aparta-te de mim; se escolheres à esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, eu irei para a esquerda” (Gn 13.7-9). É claro que nenhum de nós (a menos que tenhamos o mesmo sentimento de Abraão), teria procedido com tamanha generosidade: colocar tudo à disposição de um ganancioso? Acho difícil! Além disso, havia outros fatores desfavoráveis à Ló e favoráveis a Abraão:
Primeiro: a terra era de Abraão e não de Ló. disse Deus:
“... Toda esta terra que vês ti hei de dar a ti e a tua semente, para sempre… levanta-te, percorre esta terra, seu comprimento, e na sua largura porque ali a darei”. Com efeito, quando Deus disse: “... Na sua largura” isso incluía “... Esquerda e direita”. Portanto, Ló não tinha que escolher nada.
Segundo: Abraão era Tio de Ló e pelas leis tribais do tempo de Abraão quem tinha o direito de escolher o tio e não o sobrinho.
Terceiro: Abraão tinha outro direito; direito de gerontocracia: governo dos velhos ou de pessoa mais idosas; e neste caso o mais jovem não podia escolher.
Quarto: Abraão tinha autoridade para dizer: “Ló, você veio comigo por conta própria; eu não chamei (pelo menos a Bíblia não nos informa que Abraão tenha convidado ló para segui-lo). Agora, você vai para o alto daquela montanha e eu vou para planície. Havendo todas estas opções à disposição de Abraão ele não se aproveitou do momento para tirar proveito da situação. Mas disse a Ló: “... Escolhe qualquer lado…” A “... Esquerda ou à direita… Porque para mim, Ló (parafraseando), a bênção não está nem na direita, e nem na esquerda, mas está com Deus!”
O verdadeiro cristão deve seguir este exemplo de fé em qualquer circunstância da vida. Ló olhou para um lado e para o outro; Abraão, porém olhou para cima. Quando assim procedemos, o Senhor diz: “Não te deixarei, nem te desampararei” (Hb 13.5,6). Abraão, portanto, tinha em mente todas estas promessas de Deus e colocou o diante dele toda aquela oportunidade. Mediante tamanho oferta por parte de Abraão, Ló levantou seus olhos repentinamente, e em seguida escolheu para ser toda aquela campina, onde, segundo seus planos, seria o homem mais abençoado do mundo. O olhar de Ló englobava também a cidade de Sodoma. Quando olhamos para vantagens aparentes neste mundo, indo amamos também muitas coisas mundanas que podem nos fazer naufragar.

*O crente e a prosperidade. 2 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1992. P. 11
Título nesta página adaptado.

Resultado de imagem para ceadeb logo


Postado do Informativo da CEADEB Ano I. N° 0006 - Nov. de 2000

BOLSONARO PROMETE REVOGAR LEI DA PALMADA: ‘O PAÍS NÃO MERECE’

E, está certo!


Resultado de imagem para LEI DA PALMADA: ‘O PAÍS NÃO MERECE’
PAPA FRANCISCO ACONSELHA "PALMADAS"
O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) anunciou que, se eleito, irá revogar a chamada "Lei da Palmada", sancionada por Dilma Rousseff em 2014. A lei proíbe e pune pais e responsáveis que fizeram uso da violência, de maus-tratos, do tratamento cruel e degradante contra crianças e adolescentes. O anúncio ocorreu em meio à polêmica criada sobre o estímulo para crianças fazerem gestos de armas com as mãos, símbolo da campanha do parlamentar.
Os pais que usarem desses expedientes contra os filhos estão sujeitos a uma advertência e são encaminhados para tratamentos psicológicos ou cursos de educação, após intervenção do Conselho Tutelar. A proposta foi enviada ao Congresso Nacional pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2010.
A decisão de suspender os efeitos dessa lei foi anunciada por Bolsonaro no discurso que fez na convenção de seu partido, no último domingo. Foi uma das poucas medidas práticas apresentadas pelo candidato.
“Vou revogar a Lei da Palmada. O país não merece. A pena é o afastamento do lar. Se existisse isso no meu tempo, lá atrás, meu pai e minha mãe não morariam em casa”, disse Bolsonaro, aplaudido por seus apoiadores. 
O candidato sempre fez oposição a esse projeto. Integrantes da bancada da bala e parlamentares ligados a grupos religiosos - católicos e evangélicos - também foram contra. O argumento é de que o Estado está invadindo prerrogativas que são da família, dos pais. 
Bolsonaro fez vários discursos no plenário da Câmara contra a sua aprovação. Ele tentou que o texto fosse aprovado no plenário da Casa antes de seguir direto das comissões para o Senado. 
A lei ganhou o nome oficial de Lei Menino Bernardo, numa referência a Bernardo Boldrini, de 11 anos, assassinado no Rio Grande do Sul em abril de 2014. O pai, a madrasta e dois irmãos foram acusados e condenados pelo crime. 
A apresentadora de TV Xuxa Meneghel foi uma das porta-vozes a favor da aprovação do projeto. Ela esteve algumas vezes no Congresso Nacional e chegou a fazer enfrentamentos com deputados opositores da proposta. Bolsonaro a criticou em plenário. 
“Não pode um pai que, porventura der um tapa no bumbum do filho ou aplicar uma advertência mais dura, ser condenado ao afastamento do lar. A senhora Xuxa Meneghel é favorável a essa campanha ‘não bata, eduque!’. Ela chegou a dizer que se a lei estivesse em vigor o casal Nardoni (caso rumoroso da morte de uma menina ocorrido em 2008) não teria ocorrido. Pelo amor de Deus. A Xuxa teve uma boa educação, com certeza, mas não seguiu todas as orientações de seu pai, o capitão Meneghel”, disse Bolsonaro em 2012, antes da aprovação do texto. 
Muitas organizações não governamentais de apoio à criança e ao adolescente, e também órgãos de governo que atuam nessa área, defenderam a aprovação do projeto. 
Ao sancionar o projeto, Dilma vetou a aplicação de multa, de 3 a 40 salários mínimos, ao servidor público que deixasse de comunicar às autoridades casos suspeitos ou confirmados de agressões contra crianças menores de idade. 
Os especialistas entenderam que a punição a um caso mais grave já é previsto no Código Penal. Por isso, a opção por medidas socioeducativas aos pais envolvidos nesses outros casos. Para eles, a lei tem um sentido pedagógico. 

O projeto define castigo físico como “ação de natureza disciplinar ou punitiva aplicada com o uso da força física sobre a criança ou adolescente que resulte em sofrimento físico ou lesão”. Já o tratamento cruel e degradante é classificado como a “conduta ou forma cruel de tratamento em relação à criança ou adolescente que humilhe, ameace gravemente ou ridicularize” a criança.

Postado do Portal Gazeta do Povo:


terça-feira, 24 de julho de 2018

A REFORMA PROTESTANTE E OS EVANGÉLICOS QUE NÃO PROTESTAM CONTRA QUASE NADA!

Precisamos também de uma reforma no protestantismo e também na igreja evangélica brasileira!



A tempos atrás escrevi um artigo sobre a incoerente vida cristã praticada por muitos evangélicos, e hoje na data em que comemoramos a reforma protestante, achei pertinente reapresentá-lo para nossa reflexão, enquanto integrantes da igreja evangélica brasileira.
Então, vamos lá...
Em um país em que ser evangélico tornou-se moda; onde ser protestante é não opor-se a quase nada e é ser igual a todo mundo; em que pregar o evangelho é difundir uma mensagem descaradamente tolerante ao pecado em nome de um amor mais libertino que cristão; onde as modernas serpentes de metal inspiram cultos de idolatria nos púlpitos e eventos das igrejas-show ou das igrejas-bençãos, onde tudo é regado a muitas ofertas e contribuições. Instituições cambaleantes em seu egoísmo eclesiástico escandalizam a fé cristã e prendem à descrença os de fora por conta de roubos, crimes e fraudes. O que nos resta frente a esse quadro aterrador e decepcionante do gospelismo brasileiro que mais escandaliza do que evangeliza?
E como se não bastasse, mesmo numa democracia como forma de governo político; ainda existem líderes religiosos que transformaram-se em imperadores, ao que parece de uma Roma eclesiástica (a igreja de Cristo não pode ser governada por políticas humanas).  É fato que ocorrem assassinatos ministeriais, armações de uma política eclesiástica interesseira e corrupta, rolam subornos vexatórios, promovem perseguições por medo de não manterem-se no poder e movem muitas ações judiciais entre os próprios pastores. Para tristeza nossa, alguns desses líderes que assimilam pastorados, política e trapaças ao mesmo tempo estão confirmando as previsões de cientistas políticos que esperam que os evangélicos do Brasil sejam usados como massa de manobra e como palanque social para discursos conservadores apenas com intenções eleitoreiras. Frente a este triste panorama da igreja brasileira chegamos a real conclusão: Precisamos também de uma reforma no protestantismo e também na igreja evangélica brasileira!
A resposta é muito mais ampla e complexa do que eu gostaria que fosse. Pois se concordarmos que sim, seu detalhamento e prática exigirão a derrubada de regimes e estruturas políticas e comerciais dentro da própria igreja cristã brasileira; precisará aniquilar o poder camaleônico das mentiras que enfraqueceram o valor teológico e bíblico da verdade no seio da igreja nacional; sistemas arcaicos de gestão terão que ser implodidos, coronéis e latifúndios eclesiológicos deverão ser expulsos e desfeitos pela ação do bom senso cristão. As fortalezas da impiedade com suas vestimentas de piedade há muito tempo imperam neste cristianismo envenenado pela ganância e astúcia de homens amantes de si mesmos. Mas, tal resposta precisa de um milagre de Deus para se expressar e se consolidar de fato na vida deste vacilante perfil evangélico do século XXI.
Nossa cultura cristã ocidentalizada desenvolveu um comportamento cômodo que repele protestos; um doutrinamento de submissão inquestionável nos tornou vítimas, nos fez cegos e incapazes de pensar a que evangelho estamos  seguindo. O mundo gospel absorve o mundano para a igreja sem nenhum problema e iludidos por pregações de renovação, nos entregamos a inovações que só atestam a ausência do Espírito Santo. Para a grande maioria está muito bom do modo que nos encontramos, e desviado está aquele que pensa o contrário. Crentes que são vítimas da própria letargia e falta de atitude de se posicionarem por meio da Palavra de Deus. A falta de oração e de reflexão bíblica desenvolveu crentes que ouvem todas as vozes menos a de Deus. Essa insensibilidade espiritual não permite sentir que já passamos da hora de uma transformação para este cristianismo reformado e nada mudado!
O grande problema para a chegada de um avivamento para a igreja evangélica brasileira – e só um reavivamento pode mudar os rumos que tomamos – são as denominações de protestantes, crentes e evangélicos deste país. Desculpem-me os irmãos, mas nenhuma denominação escapa dessa verdade – estão se omitindo da responsabilidade e ignorando a realidade escancarada da existência de uma pomposa igreja de Laodicéia com filiais e adeptos instalados em todos os nossos templos e reuniões. Falta-nos zelo pelas coisas de Deus, falta-nos prioridade para o Seu reino, falta-nos foco para o centro de sua vontade e isso cega e mata espiritualmente.
Combatamos a escarnecedora e licenciosa Laodicéia que extermina os bons costumes de crente salvo, que despreza a palavra e ojeriza santidade, que profana o sagrado, que constrói bases políticas entre pastores, que endeusa pregadores, que consagra a idolatria gospel, que glorifica cantores afortunados, que mercantiliza a fé, que converte o culto em modismos e as pregações em cismas de heresia. A reforma precisa começar com você, na sua família, na vizinhança, na igreja e em todos os seus relacionamentos. Seu protesto é contra um sistema de mentiras orquestrado pelo príncipe das trevas que muita das vezes tem seus ideais maléficos exemplificados dentro de nossas igrejas protestantes e evangélicas. Quero ver quem tem coragem para protestar!

Postado do Portal Gospel Mais: