WEB RÁDIO JESUS A VIDA

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

MÉDICOS AFIRMAM QUE O ÁLCOOL TAMBÉM É FATOR DE RISCO PARA O CÂNCER...

Fonte: Roni Caryn Rabin, Do New York Times, (http://vivabem.uol.com.br).

A Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO, na sigla em inglês para American Society of Clinical Oncology), que representa vários dos mais importantes médicos de câncer do país, está chamando a atenção para a ligação entre o álcool e o câncer. Em uma declaração publicada na terça-feira no Journal of Clinical Oncology, o grupo cita evidências de que mesmo uma quantidade pequena de bebida alcoólica pode aumentar o risco de câncer de mama e de um tipo comum de câncer do esôfago.

Segundo o grupo, quem bebe muito corre um risco bem maior de ter câncer de boca e garganta, da laringe, de fígado e, em menor grau, câncer colorretal.

"A mensagem não é 'Não beba'. É, se você quer reduzir o risco de ter câncer, beba menos. Se você não bebe, nem comece", explica a doutora Noelle LoConte, professora associada da Universidade de Wisconsin-Madison e principal autora do comunicado da ASCO. "É diferente do tabaco, para o qual dizemos, 'Nunca fume. Não comece'. Esse conselho é um pouco mais sutil."

Outros grupos médicos já citaram o álcool como possível causador de câncer. No entanto, esta foi a primeira vez que a ASCO tomou uma posição sobre o tema.
Poucos adultos identificam o consumo de álcool como um fator de risco para o câncer.
A quantidade de pessoas que bebe álcool em geral, assim como quem bebe muito e quem tem problema de alcoolismo está aumentando nos Estados Unidos entre todos os segmentos da sociedade, incluindo mulheres, idosos, minorias étnicas e raciais e os pobres, de acordo com várias pesquisas.

Ainda assim, poucos adultos, quando perguntados, identificam o consumo de álcool como um fator de risco para o câncer, mesmo que a vasta maioria conheça outros fatores, como fumar ou se expor ao sol, segundo uma pesquisa feita recentemente pela ASCO com 4.016 adultos. Menos de um em três adultos identificou o álcool como um fator de risco de câncer. (A maioria também não mencionou a obesidade.)


O grupo médico pede novas iniciativas de saúde pública para diminuir o consumo do álcool, desde o aumento dos impostos até as restrições nas propagandas dirigidas a menores de idade, como a proibição de anúncios de bebidas alcoólicas no metrô e nos ônibus de Nova York, que entrará em vigor em janeiro. O grupo também se opõe à "lavagem rosa" que ocorre quando as empresas de bebida cobrem seus produtos com fitas dessa cor para aumentar as vendas, prática à qual se opõe "dada a evidência consistente da ligação entre o consumo de álcool e um aumento no risco do câncer de mama".

Estudo confirmou o papel do álcool no desenvolvimento da doença.
Para produzir a declaração, os pesquisadores da ASCO revisaram estudos já publicados e concluíram que 5,5 por cento de todos os novos casos de câncer e 5,8 por cento de todas as mortes causadas pela doença no mundo podem ser atribuídas ao álcool. O estudo afirmou claramente que as bebidas alcoólicas têm um papel causal nos cânceres de garganta e de pescoço, de faringe, do fígado e do cólon, assim como no carcinoma de células escamosas do esôfago e, em mulheres, no câncer de mama.

Para as mulheres, uma dose de bebida alcoólica por dia pode aumentar o risco de câncer de mama, segundo um relatório divulgado em maio pelo Instituto Americano de Pesquisa do Câncer e pelo Fundo de Pesquisa Mundial do Câncer e citado pela ASCO. Esse relatório analisou 119 estudos, incluindo dados de 12 milhões de mulheres e mais de um quarto de milhão de casos de câncer de mama, e concluiu que há fortes evidências de que o consumo de álcool aumenta o risco de câncer pré e pós-menopausa, e que beber uma taça pequena de vinho ou de cerveja todos os dias – cerca de dez gramas de álcool – aumenta o risco de câncer de mama antes da menopausa em cinco por cento e depois da menopausa em nove por cento.

Mesmo aqueles que bebem moderadamente, definidos pelo Centro de Controle de Doenças como uma dose diária para mulheres e duas para os homens, enfrentam quase o dobro do risco de câncer de boca e de garganta e mais do que o dobro do risco de carcinoma de células escamosas do esôfago, comparado com quem não bebe. Os bebedores moderados também enfrentam riscos mais elevados para cânceres da faringe, câncer de mama nas mulheres e câncer colorretal.

O risco para quem bebe muito – definido como aqueles que tomam oito ou mais drinques para as mulheres e 15 ou mais para os homens por semana, incluindo os bebedores compulsivos – são muito mais elevados. Quem bebe muito tem quase cinco vezes mais possibilidade de ter câncer de boca, de garganta e do esôfago do que quem não bebe; quase três vezes o risco de câncer na laringe; e duas vezes mais risco de câncer no fígado, além de riscos aumentados de câncer de mama e colorretal.


"Ao olharmos para esses números, podemos ver o álcool como um fator contribuinte, que certamente tem um papel causal", afirma o doutor Hudis.


Câncer de boca, mama e colorretal estão entre os causados pelo álcool.
A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC na sigla em inglês para International Agency for Research on Cancer), que faz parte da Organização Mundial de Saúde, classificou pela primeira vez o consumo de bebidas alcoólicas como carcinogênico para humanos em 1987, ligando-o aos cânceres de boca, garganta, faringe, esôfago e fígado, diz Susan Gapstur, vice-presidente de epidemiologia da Sociedade Americana do Câncer.

Desde então, segundo ela, vêm se acumulando mais e mais evidências que ligam o álcool a um grupo cada vez maior de cânceres, incluindo o colorretal e, nas mulheres, o de mama. Um relatório mais recente da IARC concluiu que o álcool "é a causa de cânceres da cavidade oral, faringe, laringe, esôfago, colorretal, fígado e mama". (O câncer de esôfago é em geral o carcinoma de células escamosas.).

"A história do álcool é consistente e vem sendo desvendada parte por parte ao longo do tempo, e continuamos a aprender mais sobre os mecanismos envolvidos. Não temos testes aleatórios, mas algumas vezes quando você começa a olhar para a coerência da evidência, incluindo a epidemiologia observacional, os estudos de laboratório e as pesquisas de mecanismo, passa a ver a imagem com mais clareza", explica Gapstur.

Uma das maneiras em que as bebidas podem aumentar o risco de câncer é porque o corpo metaboliza o álcool em acetaldeído, substância que causa mutações no DNA, de acordo com Gapstur. A formação do acetaldeído começa quando o álcool entra em contato com as bactérias da boca, o que pode explicar a ligação entre o álcool e os cânceres de garganta, faringe e esôfago, diz ela.

A doutora Anne McTiernan, cientista do Centro Fred Hutchinson de Pesquisa do Câncer e autora de um dos primeiros relatórios sobre álcool e câncer de mama, diz que ficou satisfeita com o fato de os oncologistas estarem se concentrando no álcool.


"Isso dá peso à notícia. Mostra que eles são sérios sobre o assunto e querem colocar seu nome em jogo para pressionar por mudanças nas leis, além de aceitarem dizer que até mesmo pequenas quantidades de álcool podem aumentar os riscos de certos cânceres em um pequeno grau", diz ela.


Minha fotoPostado do Blog de Innaldo Sardinha:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito agradecido pela sua visita. Deus o abençoe.
Thank you very much for your visit. God bless you.
Большое спасибо за ваш визит. Да благословит вас Бог.
Vielen Dank für Ihren Besuch. Gott segne dich.