WEB RÁDIO JESUS A VIDA

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

PROFESSOR INOVA AO LECIONAR HISTÓRIA PARA PRESOS COM A BÍBLIA E VENCE PRÊMIO DE EDUCAÇÃO

Ao longo de dois meses o professor desenvolveu o material das aulas e tomou o cuidado de separar a fé do relato histórico...


Um professor de história decidiu inovar para cumprir seu papel nas aulas dadas para alunos condenados à prisão e, diante da falta de material, resolveu usar os exemplares da Bíblia Sagrada como fonte de material para lecionar a matéria. O resultado? Se tornou um dos vencedores do “Oscar da Educação”.
Di Gianne de Oliveira Nunes, professor de história há 10 anos, desenvolveu um método para lecionar no curso Educação de Jovens e Adultos e Ensino Médio (EJA) da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) em Lagoa da Prata, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais. Em meio à sua capacidade didática, ele usou a Bíblia Sagrada para capturar a atenção dos alunos.
Segundo informações do jornal Correio Braziliense, Nunes agora está concorrendo a outro prêmio, de Educador do Ano, após ser premiado na categoria Educadores Nota 10 do concurso promovido pela Fundação Victor Civita, que avaliou 5.006 projetos.
Resultado de imagem para Professor inova ao lecionar história para presos com a Bíblia e vence prêmio de educação“Regime fechado, visão aberta” foi o nome escolhido pelo professor para o projeto de educação na Apac: “Na unidade prisional, quando eu estava dando aula sobre império romano, um aluno me questionou se existia a possibilidade de estudar por meio da Bíblia. Foi então que percebi que a grande quantidade de Bíblias disponíveis dentro da escola do presídio. Agora, vou utilizar o livro mais comum do sistema prisional a nosso favor”, contou.
Ao longo de dois meses o professor desenvolveu o material das aulas e tomou o cuidado de separar a fé do relato histórico: “O cenário da Bíblia é histórico e fértil. Mergulhamos em um trabalho intenso para estudar, analisando as tradições, as culturas e as sociedades dos romanos e dos gregos. Como no presídio os alunos não têm acesso à internet, usamos a Bíblia e os livros de história. Ora líamos um, ora outro e, depois, discutíamos se o fato era comprovado pela arquelogia”, explicou.
Segundo o professor, os alunos aprenderam e se dedicaram: “Eles ficavam ansiosos para as aulas”, acrescentou, revelando ainda que suas aulas agora têm colaborado para a melhora do desempenho dos alunos em outras disciplinas, como literatura e atualidades (no caso da segunda, ajuda entender os conflitos no Oriente Médio).
“Mudou o rendimento na sala de aula. Até na biologia, a lepra, por exemplo, muito citada na Bíblia. Ainda tem preconceito e isso vem desde a época. E tudo isso a gente vai refletindo, desconstruindo”, afirmou Nunes.
O professor ainda disse ter notado uma melhora na autoestima dos alunos: “A mãe de um aluno me ligou e disse, chorando: ‘Meu filho só tinha saído no jornal em páginas policial e, agora, todo mundo voltou a acreditar nele. De repente, ele era vencedor num projeto educacional em nível nacional’”.
Como premiação por sua iniciativa, o professor recebeu R$ 15 mil. O valor, garante, foi dividido entre os alunos da turma do presídio: “Nada mais justo. Eles são os protagonistas”, concluiu.


Postado do Blog Notícias Gospel Mais:

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

BOMBA: EM CARTA DE DESFILIAÇÃO ESTARRECEDORA, PALOCCI ACABA COM LULA E O PT; LEIA A ÍNTEGRA

O ex-ministro Antônio Palocci enviou ao PT sua carta de desfiliação, após procedimento que o suspendeu, não por ter cometido crimes, mas por dizer a verdade sobre a corrupção petista e de Lula. Na carta, Palocci revela sua desilusão com o partido e com o ex-presidente. 


EX-MINISTRO PETISTA - ANTÔNIO PALOCCI

Senhora Presidente,      

Soube pela imprensa da abertura do processo disciplinar pelo PT-RP, bem como de minha suspensão pelo Diretório Nacional por 60 dias. Confesso minha estranheza sobre o conteúdo do referido processo. Neste último período, havia me preparado para enfrentar junto ao partido um procedimento de natureza ética frente à recente condenação que sofri na 13ª Vara Federal de Curitiba, pelo DD. Juiz Sérgio Fernando Moro. Pensava ser normal que o partido procurasse saber as razões que levaram a tal condenação e minhas eventuais alegações. Mas nada recebi sobre isso. 
Recebo agora as notícias de abertura de procedimento ético em razão das minhas declarações no interrogatório judicial ocorrido no último dia 6/9/2017, sobre ilegalidades que cometi durante os governos de nosso partido. 
O procedimento questiona minhas afirmações a respeito do ex-presidente Lula.

Sobre isso, tenho a dizer que:        
1) Há alguns meses decidi colaborar com a Justiça, por acreditar ser este o caminho mais correto a seguir, buscando acelerar o processo em curso de apuração de ilegalidades e de reformas na legislação de procedimentos públicos e na legislação partidária-eleitoral, que reclamam urgente modernização. 
2) Defendo o mesmo caminho para o PT. Há pouco mais de um ano tive oportunidade de expressar essa opinião de uma maneira informal a Lula e Rui Falcão, então presidente do PT, que naquela oportunidade transmitia uma proposta apresentada por João Vaccari, para que o PT buscasse um processo de leniência na Lava Jato.   
3) Estou disposto a enfrentar qualquer procedimento de natureza ática no partido sobre as ilegalidades que cometi durante nossos governos, as razões e as circunstâncias que me levaram a estes atos e, mesmo considerando a força das contingências históricas, suportar pessoalmente as punições que o partido julgar cabíveis.         
4) Não vejo possibilidade, entretanto, de colaborar no processo aberto pelo partido sobre minhas afirmações quanto às responsabilidades do ex-presidente Lula nas situações citadas por ocasião do interrogatório de 6/9/2017. Isso porque tais questões fazem parte do processo de negociação com o MPF, e tal procedimento encontra-se envolto em sigilo legal. Foi por isso que naquela oportunidade limitei-me a fatos relacionados àquele processo. Dito isto, declaro minha disposição de responder aos questionamentos do partido sobre qualquer tema, logo após os prazos legais.   
5) De qualquer forma, quero adiantar que, sobre as informações prestadas em 6/9/2017 (compra do prédio para o Instituto Lula, doações da Odebrecht ao PT, ao Instituto e a Lula, reunião com Dilma e Gabrielli sobre as sondas e a campanha de 2010, entre outros) são fatos absolutamente verdadeiros. São situações que presenciei, acompanhei ou coordenei, normalmente junto ou a pedido do ex-Presidente Lula. Tenho certeza que, cedo ou tarde, o próprio Lula irá confirmar tudo isso, como chegou a fazer no "mensalão", quando, numa importante entrevista concedida na França, esclareceu que as eleições no Brasil eram todas realizadas sob a égide do caixa dois, e que era assim com todos os partidos. Naquela oportunidade ele parou por aí, mas hoje sabemos que é preciso avançar na abertura da caixa preta dos partidos e dos governos, para o bem do futuro do país.
6) Ressalto que minha principal motivação nesse momento é que toda a verdade seja dita, sobre todos os personagens envolvidos.
7) Sob o ponto de visa político, estou bastante tranquilo em relação a minha decisão. Falar a verdade é sempre o melhor caminho. E, neste caso, não posso deixar de registrar a evolução e o acúmulo de eventos de corrupção em nossos governos e, principalmente, a partir do segundo governo Lula. 
 

Vocês sabem que procurei ajudar no projeto do PT e do presidente Lula em todos os momentos. Convivi com as dificuldades e os avanços. Sabia o quanto seria difícil passar por tantos desafios políticos sem qualquer desvio ético. Sei dos erros e ilegalidades que cometi e assumo minhas responsabilidades. Mas não posso deixar de destacar o choque de ter visto Lula sucumbir ao pior e da política no melhor dos momentos de seu governo. Com o pleno emprego conquistado, com a aprovação do governo a níveis recordes, com o advento da riqueza (e da maldição) do pré-sal, com a Copa do Mundo, com as Olimpíadas, "o cara", nas palavras de Barack Obama, dissociou-se definitivamente do menino retirante para navegar no terreno pantanoso do sucesso sem crítica, do "tudo pode", do poder sem limites, onde a corrupção, os desvios, as disfunções que se acumulam são apenas detalhes, notas de rodapé no cenário entorpecido dos petrodólares que pagarão a tudo e a todos.    
Alguém já disse que quando a luta pelo poder se sobrepõe à luta pelas ideias, a corrupção prevalece. Nada importava, nem mesmo o erro de eleger e reeleger um novo governo, que redobrou as apostas erradas, destruindo, uma a uma, cada conquista social e cada um dos avanos econômicos tão custosamente alcançados, sobrando poucas boas lembranças e desnudando toda uma rede de sustentação corrupta e alheia aos interesses do cidadão. Nós, que nascemos diferentes, que fizemos diferente, que sonhamos diferente, acabamos por legar ao país algo tão igual ao pior dos costumes políticos.    
Um dia, Dilma e Gabrielli dirão a perplexidade que tomou conta de nós após a fatídica reunião na biblioteca do Alvorada, onde Lula encomendou as sondas e as propinas, no mesmo tom,  sem  cerimônias, na cena mais chocante que presenciei do desmonte moral da mais expressiva liderança popular que o país construiu em toda a nossa história.        
Enfim, é por todas essas razões que não compreendo o processo aberto agora. Enquanto os fatos me eram imputados e eu me mantive calado não se cogitava a minha expulsão.  Ao contrário, era enaltecido por um palavrório vazio. Agora que resolvo mudar minha linha de defesa e falar a verdade, me vejo diante de um tribunal inquisitorial dentro do próprio PT. Qual o critério do partido? Processos em andamento? Condenações proferidas? Se é este o critério, o processo de expulsão não deveria recair apenas contra mim.        
Até quando vamos fingir acreditar na autoproclamação do "homem mais honesto do país" enquanto os presentes, os sítios, os apartamentos e até o prédio do Instituto (!!) são atribuídos a Dona Marisa?    
Afinal, somos um partido político sob a liderança de pessoas de carne e osso ou somos uma seita guiada por uma pretensa divindade?
Chegou a hora da verdade para nós. De minha parte, já virei essa página. Ao chegar ao porto onde decidi chegar, queimei meus navios. Não há volta. Depurar e rejuvenescer o partido, recriar a esperança de um exercício saudável da política será tarefa para nossos novos e jovens líderes. Minha geração talvez tenha errado mais do que acertado. Ela está esgotada. E é nossa obrigação abrir espaço a novas lideranças, reconhecendo nossas graves falhas e enfrentando a verdade. Sem isso, não haverá renovação.       
E tenho razões ainda maiores. Nas últimas décadas, sempre me decidi pelo PT, pela política, e minha família sempre aceitou, suportou e sofreu com isso. Agora decidi pela minha família! E o fiz com a alma tranquila.
Desde que fundei o PT há 36 anos, em Ribeirão Preto com um grupo de amigos, na sede do Centro Acadêmico da Faculdade de Medicina, entre 1980/1981, dediquei-me totalmente ao partido, à política e a nossos governos.
Tive a honra e a felicidade de ser vereador e prefeito de minha cidade por duas vezes. Tive a honra de servir aos governos de Lula e Dilma. Enfrentei como Ministro da Fazenda uma das mais duras crises econômicas de nossa história, mas a competência de meus assessores permitiu um  trabalho com fortes e duradouros resultados. Nunca supus que o governo tenha desandado com minha saída em 2006. Na verdade, o caminho até a crise de 2008 foi, do ponto de vista do projeto de desenvolvimento, de grande sucesso. Mas, como o ovo da serpente, já se via, naqueles melhores anos, a peçonha da corrupção se criando para depois tomar conta do cenário todo.   
Coordenei várias campanhas eleitorais, em vários níveis e pude acompanhar de perto a evolução de nosso poder e nossa deterioração moral. Assumo todas as minhas responsabilidades quanto a isso, mas lamento dizer que, nos acertos e nos erros, nos trabalhos honrados e nos piores atos de ilicitudes, nunca estive sozinho.         

Por isso concluo:         

1) Continuo a apoiar a proposta de leniência do PT.       
2) Ao respeitar os prazos legais de sigilo quanto a  minha colaboração com a Justiça, terei toda a disposição para esclarecer e depor perante o partido sobre todos esses temas.  
3) Com humildade, aceitarei qualquer penalidade aprovada. Mas ressalto que não posso fazê-lo neste momento e neste formato proposto pelo partido onde quem fala a verdade é punido e os erros e ilegalidades são varridos para debaixo do tapete.   
Por todas essas razões,  ofereço a minha desfiliação, e o faço sem qualquer ressentimento ou rancores. Meu desligamento do partido fica então à vossa disposição.         


Saudações cordiais,

Antônio Palocci Filho

Postado do Portal Política na Rede:
Política na Rede

http://www.politicanarede.com/2017/09/bomba-em-carta-de-desfiliacao.html

PSOL DE JEQUIÉ AFASTA VEREADORES

Desobediência a orientação partidária de condução dos mandatos...

GUINA PRODUÇÕES & ADRIANO GUIÃO

O Partido Socialismo e Liberdade – PSOL 50 de Jequié, decidiu afastar por um ano os dois vereadores que representam a legenda na Câmara Municipal. O partido declarou a sociedade Jequieense, através de entrevistas e redes sociais, que o mesmo adotaria um posicionamento político de independência e não de alinhamento ou compondo-se como base política da gestão Sérgio da Gameleira. Adriano Alves dos Santos (Adriano Guião) e Lignaldo Vieira Lopes (Guina Produções), estão afastado do PSOL. O motivo das suspensões teria sido o distanciamento total das atividades partidárias, como reuniões e plenárias desde o mês subsequente ao pleito de 2016, apesar das frequentes tentativas da direção em estabelecer um diálogo franco e transparente; desobediência a orientação partidária de condução dos mandatos de forma participativa e posicionamento político de independência frente ao Governo Municipal; o não cumprimento das obrigações estatutárias quanto as contribuições financeiras prevista no Estatuto do PSOL, e declarados como aceites no ato da filiação partidária; não cumprimento de decisões estabelecidas pelo Conselho Político do PSOL de Jequié, que estabeleceu democraticamente que todas as decisões de políticas públicas, envolvendo grandes temas, deveriam ser sempre tratados a nível de bancada, ou seja coletivamente. Tais como, Eleições Diretas para gestores das escolas públicas municipais, reforma tributária, controle e participação social na gestão pública, reforma urbana, novas taxas ou contribuições, entre outros; Pelo exposto, o Diretório Municipal do PSOL de Jequié, em reunião realizada em 26 de setembro de 2017 com a participação do Presidente Estadual Ronaldo Santos, deliberou pelo afastamento dos edis.


Postado do Blog de Júnior Mascote:

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

FALTA DE EQUIDADE EM DIRETORIA DO COLOCA JULGAMENTO DO CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA EM "CHEQUE"!

ALERTA: Presidente do Conselho Federal de Psicologia faz viagem e tira selfie com ditador venezuelano

Rogério Giannini & Ditador Maduro

O presidente do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Rogério Giannini [foto acima, lado esquerdo], esteve há três meses na ditadura socialista da Venezuela para participar do evento “1º Foro Internacional Violencia e Operaciones Psicologicas“, ocorrido entre os dias 11 a 15 de junho de 2017.

De acordo com o Ministério do Poder Popular para a Comunicação e a Informação da Venezuela, o objetivo do evento era abordar “a violência que setores da direita têm pretendido instaurar no país”. O evento foi dirigido pessoalmente pelo ministro Ernesto Villegas, contou com a presença do ditador Nicolás Maduro e teve Rogério como um dos “especialistas” para tratar do assunto objetivo do “foro”.

Rogério não apenas tirou fotos com os presentes, incluindo o próprio ditador Nicolás Maduro, como sua viagem foi paga pelos 300 mil psicólogos do país que são obrigados a financiar o CFP todos os anos pagando até 431 reais por ano.

De acordo com informação divulgada no site de Transparência do CFP (como autarquias federais, todos os Conselhos Profissionais são obrigados a divulgar seus gastos), o apoio ao ditador Nicolás Maduro custou R$ 4.639,46 ao bolso dos psicólogos brasileiros.

rogerio-empenho

Rogério também declarou, em vídeo às vésperas das eleições de 2016, que é uma “pessoa de esquerda, com pautas de esquerda” e, portanto, apoiaria uma candidata a vereadora pelo PT em São Paulo. Confira:


Comentário:

Rogério Giannini, assim como qualquer Psicólogo, possui autonomia e liberdade para apoiar, se manifestar e falar em nome do que acredita no campo político ou qualquer outro, porque isso diz respeito à sua vida pessoal. Isso independe de visão política, partido ou personalidade.

Entretanto, enquanto Presidente de uma autarquia que tem como objetivo regulamentar e fiscalizar o - exercício - legal da profissão de Psicólogo, o Presidente não pode atuar ou se beneficiar em nome do CFP no sentido de induzir e favorecer quaisquer concepções políticas e/ou ideológicas.

O Conselho deve ter neutralidade sobre assuntos que não são da sua competência, visto que é um órgão público de administração indireta. Em segundo, o CFP representa não apenas a Psicologia no Brasil, mas também os Psicólogos registrados no órgão, contribuindo com suas anuidades, o que significa plena diversidade de pensamento. Esse é apenas mais um motivo pelo qual a neutralidade é uma necessidade vital para o correta atuação do órgão.

Psicóloga Marisa Lobo, também conhecida devido suas críticas ao aparelhamento ideológico nos Conselhos de Psicologia, foi a primeira a fazer a denúncia em vídeo do suposto apoio do Presidente do CFP ao ditador venezuelano. Assista abaixo:


DÊ PAUSE NA WEB RÁDIO PARA ASSISTIR AOS VÍDEOS
Para que não lhe reste dúvidas, é como se o Comandante da Polícia Militar, imbuído da sua autoridade representativa em função do cargo, falasse em nome da PM apoiando, por exemplo, Michel Temer ou tirasse um selfie com o Lula em um comício do Partido dos Trabalhadores. A PM é uma autarquia assim como o Conselho Federal de Psicologia. São órgãos politicamente neutros, regidos apenas pela Constituição Federal.

É preciso apurar melhor as circunstâncias da viagem, bem como a natureza do evento. Se ele foi como representante do CFP ou em nome próprio. Se os temas tratados foram de caráter político, de fato, ou não. Em todo caso, se realmente como apontou o IliSp, os custos da viagem foram financiados pelo CFP, como mostra a imagem, isso é algo extremamente preocupante para os profissionais da Psicologia no país e a própria credibilidade da Psicologia brasileira enquanto ciência.

Difícil e confusa a situação.

Talvez isso explique o número cada vez maior de Psicólogos(as) insatisfeitos com a profissão e com a atuação do CFP frente à questões dessa natureza.

Que sirva de alerta para os Psicólogos.

Fonte da matéria: IliSP
Comentário: Will R. Filho


Postado do Blog Opínião Crítica:


sábado, 23 de setembro de 2017

SERIA ESTE O PRINCIPAL CARTÃO DE VISITAS DA CIDADE JARDIM: AMARGOSA - BAHIA?

PREFEITURA DE AMARGOSA - BAHIA

Passados os primeiros 266 dias da atual administração do Prefeito Júlio Pinheiro(PT) perguntamos com todo o respeito; sería este o principal cartão postal para os que chegam ou saem da Cidade de Amargosa?
Pois, como visitante é a primeira impressão que fica das ações (ou falta delas) por parte do Executivo Municipal, num município com grande expoente na micro-região  de Jequié.
Segundo apuramos, as intervenções realizadas pela Prefeitura do PT em Amargosa são meros paliativos, onde segundo os moradores "parece que são utilizados  areia e óleo" que o próprio trafegar de veículos remove o material colocado sobre as crateras formadas ao longo da Avenida João Leal Sales - Bairro da Cariara, e que tem maior incidência nas proximidades do Posto Baitinga até o acesso à saída para a cidade de Mutuípe, com danos aos usuários da referida via.
Os prejuízos que são causados pela ausência de ações concretas por parte do gestor acima afetam não apenas um bairro bastante movimentado e que dá acesso a diversas cidades da região, como Mutuípe, através da BA 540, Santo Antonio de Jesus, São Miguel das Matas, Elísio Medrado e Varzedo através da BA 026, mas à todos que por ali transitam, prejudicando o escoamento de produção e sua comercialização, bem como afeta diretamente o Turismo regional, por ineficácia na atuação do Governo Municipal e Estadual que efetivamente fazem mais investimentos no marketing do que no combate a estes problemas recorrentes na maioria dos municípios do Estado .
SENHOR PREFEITO O POVO MERECE RESPEITO!


ACESSO À CIDADE DE MUTUÍPE x BA 026

AV. JOÃO LEAL SALES - CATIARA






Fotos e Matéria by:  Valter Sandoval O Protestante

Veja outras imagens feitas in loco no link adiante:

Foto de Valter Sandoval França.

Foto de Valter Sandoval França.

Foto de Valter Sandoval França.

MATÉRIA RELACIONADA:


COM MUITOS BURACOS, A BA 026 QUE LIGA SANTO ANTÔNIO DE JESUS A AMARGOSA ESTÁ INTRAFEGÁVEL



ESTADO VERGONHOSO DA PISTA FAZEM MORADORES “TAMPAR BURACOS” EM AMARGOSA

http://reconcavonoticias.com.br/estado-vergonhoso-da-pista-fazem-moradores-tampar-buracos-em-amargosa/

 

POPULAÇÃO DE AMARGOSA RECLAMA DE BURACOS NO BAIRRO DA CATIARA


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

CAMPANHA DE MISSÕES NACIONAIS 2017

National Mobilization Campaign 2017


Há 110 anos, Missões Nacionais tem trabalhado, incansavelmente, na transformação de vidas para a glória de Deus. Nossa visão é alcançar todos com o evangelho, sem fazer acepção de pessoas. Atuamos nas principais necessidades, em que a ausência de Deus tem ceifado almas e abatido a sociedade. Temos a firme convicção de que a salvação se manifestou para todos os homens por meio de Jesus, o autor e consumador da nossa fé.
Resultado de imagem para campanha de missões nacionais 2017
Missões Nacionais almeja cuidar de cada pessoa neste país repleto de mazelas, desafios e incertezas. O que buscamos todos os dias, ao longo da nossa jornada, não é só olhar, mas enxergar o nosso próximo com a mesma compaixão e graça do nosso Pai.
Cada um de nós é coadjuvante e cooperador da grande obra que Deus está realizando no Brasil. O evangelho e a fé em Cristo é o que nos torna desbravadores da missão de ganhar a pátria para Cristo e multiplicar discípulos. Temos o privilégio de fazer parte disso, e ver vidas sendo salvas e transformadas pelo poder de Deus.
Muitos cristãos têm vivido dentro das igrejas sem ter a real dimensão do que Deus está promovendo no nosso país. Você se imaginaria fora disso? A obra de Deus começa operando em nós para ser perpetuada. Somos agentes dessa multiplicação. É preciso despertar dentro do nosso coração o ardor missionário e contagiar homens e mulheres (...) para atingirmos o objetivo de salvar vidas.
O poder transformador de Cristo habita e está entre nós, atua na pessoa que antes estava perdida no mundo das drogas e que foi regenerada; no ribeirinho esquecido pelas autoridades que recebeu pela primeira vez um atendimento odontológico; na mulher sertaneja que desejava água da chuva, mas recebeu a fonte da água da vida; no preso que foi liberto pela Palavra de Deus, mesmo atrás das grades; no surdo que pôde ouvir falar em sua língua sobre o amor de Jesus; na criança que vivia em uma comunidade violenta, sem conseguir enxergar um futuro digno e hoje pode sonhar.
Não podemos ficar apáticos à obra de Cristo! É preciso celebrar, se envolver, participar, mobilizar e contribuir com o avanço da obra no campo missionário! Convocamos o povo (...)  brasileiro a voltar os olhos para a seara, onde tantos jovens e adultos têm dedicado a vida a serviço do Rei. É certo que as experiências que virão serão transformadoras também na vida e no coração de cada seguidor do evangelho.
Jesus é TRANSFORMAÇÃO e VIDA para todas as pessoas! Na Campanha Nacional de Mobilização 2017, levaremos essa mensagem e mostraremos ao Brasil o que Deus tem feito neste país, convocando todos os cristãos a se envolverem na proclamação do evangelho, que é poder de Deus para todo aquele que crê.
Olhe em volta e veja o que Cristo tem feito. Conte a quem está perto de você! Seja também um agente da transformação que Deus usa para abençoar sua comunidade e gentios em nosso país! Com fé, Deus é poderoso para mudar qualquer cenário. Acreditamos que essas PESSOAS PODEM IR ALÉM DO QUE TODOS ESPERAM. E você, também acredita?

DÊ PAUSE NA WEB RÁDIO ACIMA E ASSISTA  - CLIPE OFICIAL

Postado do Portal Missões Nacionais:
Resultado de imagem para campanha de missões nacionais 2017



DESCONSTRUIR SEM DESTRUIR...

É possível promover mudanças sem destruir o passado.


Todo líder recebe uma herança dos líderes que os antecederam. São heranças de várias naturezas: estilo, percepção, visão, tradição e outras. Dependendo do líder, as heranças podem ser muito fortes, e podem perdurar.
Resultado de imagem para DESCONSTRUIR SEM DESTRUIR...Também há casos em que algumas heranças simplesmente não passam. Elas precisam ser desconstruídas. Ou, em outras palavras, precisam ser trabalhadas com sabedoria para que, aos poucos, percam a força e, assim, possam ser substituídas de acordo com a visão do novo líder.
Esse não é um trabalho fácil. Em geral, é bem mais fácil construir algo novo do que desconstruir alguma coisa. E é bom deixar claro que estamos falando em “desconstruir” e não “destruir”. São dois processos bem diferentes e que têm implicações bem grandes para o líder.
Destruir é um processo maléfico, gera traumas terríveis e, em geral, traz consequências bem desastrosas. Para destruir uma herança recebida por um líder anterior, geralmente, é necessário usar duas ferramentas terríveis: a negação e a diminuição.
A negação consiste em dizer que tudo o que o líder anterior fez estava errado e não vale nada. A diminuição, ainda que mais branda, também é terrível, pois tira o valor de todas as ações, iniciativas e trabalho do líder anterior. Grandes feitos são reduzidos a nada, e investimentos financeiros são muitas vezes perdidos em nome da destruição de um período todo; ou pior: de uma vida.
É possível promover mudanças sem destruir o passado. Para isso, usa-se a ferramenta da desconstrução. É um processo lento, exige paciência e sabedoria. Trata-se de honrar o passado, mas sem a devoção da continuidade.
Espera-se, nesse processo, que, aos poucos, o que é novo obtenha um espaço maior, apareça com maior frequência, enquanto a herança passada vai, aos poucos, perdendo sua força, até que se torne apenas uma lembrança, digna de continuar nos anais da história, mas não de ditar regras para o futuro.
Desconstruir é um processo que não desonra ninguém e nem exige aquelas artimanhas, tão nocivas para os que conviveram com o líder anterior. Aliás, uma das piores maneiras de lidar com as heranças recebidas é destruir a imagem do líder anterior – por pior que seja essa imagem – diante daqueles que aprenderam a admirá-lo no passado.
Diante de alguma pressão por parte das heranças recebidas pelos líderes anteriores, a tendência de qualquer líder é destruir o passado e a imagem daqueles que fizeram história. Mas esse não é o melhor caminho. E nem o mais honroso.
É sempre melhor começar um trabalho de desconstrução. Isso pode demorar mais, porém terá um efeito muito melhor e será, no mínimo, mais maduro por parte de um líder que quer algo novo, mas que sabe que não está sozinho nesse mundo e que muitos já passaram por aqui antes dele.

Postado do Blog do Pastor Gimenez:
Imagem:


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

A LUTA DA CIÊNCIA CONTRA A IDEOLOGIA DE GÊNERO...

Psicólogos poderão oferecer terapia de reorientação sexual


Um juiz federal do Distrito Federal autorizou, em caráter liminar, que psicólogos possam atender eventuais pacientes que busquem terapia para reorientação sexual. A decisão atendeu a uma ação de três psicólogos que pediam a suspensão de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que estabelece como os profissionais da área devem atuar nos casos que envolvam a orientação sexual de pacientes. O conselho irá recorrer da decisão.

SAIBA MAIS

Publicada em março de 1999, a Resolução nº 1 do CFP proíbe os psicólogos de exercerem qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, bem como de colaborarem com eventos ou serviços que proponham o tratamento e a cura da homossexualidade.
A determinação, segundo o CFP, baseia-se no entendimento da Organização Mundial de Saúde (OMS) de que a homossexualidade não é uma doença, um distúrbio, nem uma perversão. Assim, na avaliação do conselho, a forma como cada um vive sua sexualidade faz parte da identidade do sujeito, cabendo aos profissionais de psicologia única e exclusivamente contribuir para a superação dos preconceitos e das discriminações.
Para os autores da ação popular que questiona a resolução, a iniciativa do CFP impede os psicólogos não só de atender eventuais pacientes que procurem ajuda para tentar reverter sentimentos ou comportamentos que lhes provoquem desconfortos ou transtornos, como de desenvolver estudos científicos sobre a possível reversibilidade de práticas homoeróticas, restringido a liberdade de pesquisa dos profissionais.
A partir das informações fornecidas pelas partes, o juiz da 14ª Vara do Distrito Federal, Waldemar Cláudio de Carvalho, acatou parcialmente o pedido dos críticos da resolução. Sem suspender os efeitos gerais da regulamentação do conselho, o magistrado determinou que deve ser facultado aos profissionais interessados a possibilidade de pesquisar o tema ou atender os pacientes que os procurarem buscando a chamada reorientação sexual.
Resolução do conselho segue diretriz da OMS, segundo a qual a homossexualidade não deve ser tratada como patologia
Resolução do conselho segue diretriz da OMS, segundo a qual a homossexualidade 
não deve ser tratada como patologia.                           Foto: Agência Brasil

Em sua decisão, o juiz afirma que a resolução do CFP não é inconstitucional, embora possa, "se mal interpretada", levar a equívocos, como a proibição à realização de estudos ou mesmo ao atendimento relacionado à orientação ou reorientação sexual. Para o magistrado, em conformidade com o princípio constitucional que garante a liberdade científica, deve estar claro que os psicológicos estão aptos a estudar ou atender quem, voluntariamente, buscar orientação psicológica acerca de sua sexualidade.
"Resta evidenciada, pela interpretação da Resolução nº 1 do CFP, no sentido de proibir o aprofundamento dos estudos científicos relacionados à (re)orientação sexual, afetando, assim, a liberdade científica do país e, consequentemente, seu patrimônio cultural, na medida em que impede e inviabiliza a investigação da sexualidade humana", conclui Carvalho. Segundo o juiz, o impedimento afeta principalmente os "eventuais interessados nesse tipo de assistência psicológica".
Apesar da decisão que cassa em parte os efeitos da resolução do CFP, o juiz critica o Projeto de Lei 4.931, que tramita na Câmara dos Deputados, e preconiza a chamada "cura gay". Segundo ele, a proposta é "passível de críticas, na medida em que parece equiparar a homossexualidade a outros transtornos da sexualidade".

Aplicação
Para o advogado Leonardo Loiola Cavalcanti, que representa os autores da ação popular, a liminar permitirá que os psicólogos comecem a atender adequadamente as pessoas que não se aceitam em sua orientação sexual, sem o receio de serem punidos pelo conselho.
Já para o CFP, a decisão judicial abre uma perigosa possibilidade de uso de terapias de reversão sexual, prática que o conselho afirma representar "uma violação dos direitos humanos e que não tem qualquer embasamento científico". O conselho afirma haver evidências científicas, técnicas e jurídicas demonstrando que as terapias de reversão sexual não só são ineficazes, como podem provocar sequelas e agravar o sofrimento psíquico.

Na avaliação do conselho, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho se equivocou ao definir como os psicólogos devem interpretar a resolução de seu próprio órgão de classe. "O Poder Judiciário se equivoca ao desconsiderar a diretriz ética que embasa a resolução, que é reconhecer como legítimas as orientações sexuais não heteronormativas, sem as criminalizar ou patologizar. A decisão do juiz, valendo-se dos manuais psiquiátricos, reintroduz a perspectiva patologizante, ferindo o cerne da Resolução 01/99."

Postado do Portal Terra: