WEB RÁDIO JESUS A VIDA

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

JOVEM 'PERDIDO E SEM MEMÓRIA' ENCONTRA-SE NA DELEGACIA DE IPIAÚ

Compartilhar também ajuda!!! 



Encontra-se na delegacia de Ipiaú, na manhã dessa sexta-feira (30/09), o jovem identificado pelo nome de Mateus. Ele foi levado até o Complexo Policial pelo motorista de uma van que ofereceu carona ao rapaz. “Ele entrou no carro lá em Jequié e veio comigo até Ipiaú. Mas, ele não se lembra de quase nada, nem de onde mora. Disse apenas que a mãe chama-se Vera, o pai Manoel e tem um irmão chamado de Samuel. Ele fala que se lembra dos nomes das cidades de Ipiaú e Jitaúna. Mas, aqui em Ipiaú, até agora, ninguém reconheceu ele”, disse o motorista. A polícia civil pede a quem tiver informações sobre o paradeiro da família do jovem que entre em contato através do telefone: (73) 3531 6910 Giro Ipiaú.

Postado do Blog Giro em Ipiaú:

FERIDO POR FOGO AMIGO

HEBREUS 12. 1-2
1 Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramoscom perseverança, a carreira que nos está proposta,    
2 olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.
Uma das maiores tragédias em uma Guerra é quando um soldado fere ou mata acidentalmente um dos seus companheiros.
Resultado de imagem para fogo amigoQuando um soldado morre nesta circunstancia, costuma-se dizer no meio da tropa que ele foi “ferido por fogo amigo”.  

A dor é muito grande. Todos os soldados lamentam profundamente uma ocorrência desse tipo.       

Isto também acontece no Exército de Deus, que é a Igreja de Cristo. Muitos são feridos pelos seus próprios irmãos.   

Muitos se sentem magoados, traídos ou desapontados por pessoas que são cristãs... mas que também são falhas e pecadoras.

Talvez você seja um daqueles que feriram... ou talvez você esteja entre aqueles que foram feridos. 

Você sabe a desilusão que isto pode causar… A incredulidade que surge no coração quanto às coisas da Igreja e a vontade de sumir da Igreja…      

É COMO SE VOCÊ TIVESSE SIDO MORDIDO POR UM CÃO RAIVOSO!!!

Se você foi ferido por alguém da Igreja ou do meio religioso, você está hoje no meu coração... e principalmente no coração de Deus... ainda que Deus não esteja no seu coração!  

Quando somos feridos no corpo, procuramos ajuda médica para sermos curados.       

Mas como podemos ser curados das feridas espirituais e emocionais provocadas pela ofensa de um irmão ou uma pessoa a quem tanto estimamos?    

Eu me recuso a acreditar que você queira continuar alimentando sentimentos negativos de auto-piedade, ressentimentos com o próximo ou queira continuar longe daquelas pessoas que te feriram ou que você feriu. O que fazer??? 

Há quatro ações que devemos realizar para alcançarmos a cura espiritual. 


As ações estão baseadas no texto de Hebreus 12. 1-2 – o texto que acabamos de ler.       

O verso primeiro nos traz dois ensinamentos e um alerta.

a) Nos ensina que temos uma corrida espiritual durante a nossa vida aqui na terra.        

b) Nos ensina a correr a carreira cristã e chegarmos ao final como vencedores.

c) Nos alerta que devemos “correr com perseverança, a carreira que nos está proposta” (Hb 12. 1).

PERSEVERANÇA!!! Qual é a fonte dessa perseverança???

A resposta está na última frase do verso 2, que diz assim:

“Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, JESUS”. 


Primeira ação: Olhe para Jesus!    

A Bíblia nos orienta em Hebreus 10. 25:   

“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” (Hb 10. 25).    

TALVEZ VOCÊ ESTEJA FUGINDO DE IGREJA E DE CRENTE! MAS NÃO FUJA DE JESUS PORQUE VOCÊ NUNCA PRECISOU TANTO DELE COMO ESTÁ PRECISANDO AGORA!

PARE DE OLHAR PARA OS CRENTES E PARA AS IGREJAS E OLHE PARA JESUS PORQUE FOI ELE QUEM COLOCOU VOCÊ NESTA CORRIDA E ELE QUE ESTARÁ TE ESPERANDO NA LINHA DE CHEGADA!     

OLHE PARA JESUS PORQUE NÃO FOI ELE QUEM TE FERIU!

Segunda ação: Não se isole!   

Na Primeira Carta de Pedro, capítulo 5, versos 8 e 9, diz que:

“O maligno, nosso adversário, anda em derredor, como leão procurando alguém para devorar. Resisti-lhe firmes na fé...” (1 Pd 5:8-9).    


Quantos aqui já assistiram ao canal de TV Animal Planet?

Este canal tem programas muito interessantes. Há pouco tempo eu assisti a um programa que falava sobre a estratégia do leão para atacar a presa. 

Na África, quando o leão olha para um grupo de gazelas, ele não ataca o grupo inteiro, nem sai correndo atrás de todas as gazelas ao mesmo tempo.

Existe uma razão para o leão se comportar desta maneira.

O leão não tem a velocidade de uma gazela. E quando ele tem que correr atrás da gazela, ele sempre perde a corrida.

Por isso, o leão adota uma estratégia muito peculiar: ele só ataca a gazela que está longe do grupo. 

A gazela que se distrai e se desvia do grupo ou se isola, se torna presa fácil do leão. Se a gazela permanece com o grupo, ela está segura.

Conosco acontece a mesma coisa: quando nos afastamos da Igreja do Senhor e nos isolamos, nos tornamos alvo fácil para o maligno e ele passa a nos perseguir.      

Se você está se afastando dos seus irmãos e irmãs em Cristo, eu sinto ter que dizer que você será a próxima refeição do maligno.

DEUS NÃO CRIOU VOCÊ PARA VIVER SOZINHO! NÃO SE ISOLE PARA QUE O MALIGNO NÃO TE DESTRUA!

Terceira ação: Não tema os loucos!

Algumas pessoas tendem a se afastar da Igreja porque acham que na igreja só tem gente louca.     

Alguns chegam a dizer que a igreja é uma fábrica de lunáticos.

Mas isso também não deve ser motivo de preocupação para nós.

Certo homem visitou um hospício e ficou impressionado com o histórico dos doentes mentais que ali estavam.   

Eram cerca de cem doentes mentais que tinham sido levados para aquele lugar porque não tinham mais controle sobre as suas ações violentas.

O visitante ficou surpreso ao ver que somente três pessoas faziam a segurança de cem doentes mentais daquele perfil.

Ele perguntou a um dos seguranças: “Você não tem medo que esses loucos se unam, batam em você, e fujam?”.

O segurança deu um sorriso e respondeu: “Não! Não tenho medo! Os loucos nunca se unem”.     

Às vezes eu penso que na Igreja existem alguns loucos...

E algumas pessoas acabam deixando a Igreja por causa desses loucos...

Mas a sabedoria popular nos ensina que não devemos temer os loucos porque eles nunca se unem... eles vêm e vão... eles não se firmam na Igreja e não se firmam em lugar algum.

Não tema os loucos que aparecem na Igreja porque eles não podem te fazer mal.       

Quarta ação: Siga o exemplo da ostra!  

A ostra tem uma substância chamada nácar. Quando um grão de areia entra na parte interna da ostra as células dessa substância começam a trabalhar e formam camadas que cobrem o grão de areia para proteger o corpo indefeso da ostra.  Como resultado, uma linda pérola é formada.

A pérola é uma ferida curada e cicatrizada.


As pérolas são resultado da entrada de uma substância estranha ou indesejável no interior da ostra, como um parasita ou um grão de areia que fere e incomoda a ostra.
A pérola é um produto da dor. Uma ostra que não foi ferida não produz pérolas.
Muitas vezes você já sentiu dor... eu sei!!! 

Você já se sentiu ferido pelas palavras rudes de um amigo... Já foi acusado de ter dito coisas que não disse!!!

Suas ideias já foram mal interpretadas ou rejeitadas sem razão!!!

Você já foi vítima de preconceito e discriminação!!!   

Como reagir a tudo isso? Produza uma pérola. Cubra suas mágoas e rejeições com camadas de amor. 

Infelizmente muitas pessoas cultivam ressentimentos. Deixam as feridas abertas,  alimentando-as com sentimentos pequenos  e não permitem que as feridas cicatrizem.      

São “ostras” vazias que foram feridas, mas não produziram pérolas porque não souberam perdoarcompreender e transformar a dor em amor

Peça ao Deus que te perdoou para te dar a Graça de perdoar aqueles que te feriram. Não permita que alguns crentes afastem você de Jesus!   

Jesus nunca disse: “Sigam meus discípulos!” Jesus nunca disse: “Sigam meus líderes!”. 


Jesus disse: “Tome a sua cruz e siga-me!”   


JESUS FOI O ÚNICO A MORRER POR SEUS PECADOS PARA QUE VOCÊ NÃO PRECISASSE MORRER.   

VOCÊ ESCOLHEU A CRUZ, NÃO A IGREJA!!! VOCÊ SE CONVERTEU A JESUS CRISTO, NÃO AOS CRENTES!!!
Porque é com Jesus que você vai se encontrar quando você der o seu último suspiro!!!
O que importa é como está o seu relacionamento com Jesus.
Não permita que nada ou ninguém afaste você de Jesus!
Suas feridas não são motivo para afastarem você de Jesus. Elas são o motivo para te aproximarem ainda mais de Jesus.
Há muito tempo que Jesus está te esperando de braços abertos! Ele quer te carregar nos braços e curar suas feridas! 
REV. EURÍPEDES DA CONCEIÇÃO
Pastor Efetivo


Postado do Blog IPTijuca:


Imagem: Google

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

ENTENDA O QUE É O VOTO BRANCO E VOTO NULO

Voto branco
Quem vota em BRANCO abdica de seu direito de contribuir, com o seu voto, para a eleição. Desde 1997 (Lei 9.504/97) os votos EM BRANCO são considerados inválidos.
Para votar em BRANCO, basta apertar o botão “BRANCO” na urna eletrônica.

 Voto nulo
Muitas pessoas acreditam que votar NULO é uma forma de contestação, pois vota desta forma o eleitor que não está satisfeito com a proposta de nenhum candidato e se recusa a ceder seu voto para um ou outro. No entanto, o voto NULO, assim como o Branco, é considerado um voto inválido (Lei nº 4.737/1965).
Para votar NULO é necessário digitar um numero inexistente de candidato e confirmar na sequência.

Ou seja: Tanto os votos NULOS quanto os votos em BRANCO não entram no contagem dos votos dos candidatos por serem considerados inválidos pela Justiça Eleitoral.

Consequências
É comum entendermos que o voto que não entra na contagem de votos não tem qualquer influência sobre uma eleição. Mas na verdade não é bem assim. Ao não destinar o seu voto para um candidato específico – seja este voto NULO ou em BRANCO, você está cedendo votos inválidos para a disputa eleitoral, ou seja, além de não contribuir com sua opinião sobre os candidatos, você deixa de influenciar a proporção de votos que poderia, por exemplo, levar uma eleição para o segundo turno. Entenda melhor assistindo ao vídeo:


ANULAÇÃO DAS ELEIÇÕES E VOTO ANULADO
Segundo o Artigo 224 do Código Eleitoral, ao contrário do que muita gente acredita, mais de 50% de votos NULOS e/ou BRANCOS não cancelam uma eleição.
Os únicos fatores que podem levar ao cancelamento de uma eleição e à convocação de uma nova são: se o candidato que detém mais de 50% dos votos tem seu mandado cassado ou se tem sua candidatura cancelada por irregularidade na inscrição. Quando uma dessas situações ocorre, todos os votos que foram dados a esses candidatos são ANULADOS.
Os votos ANULADOS não são a mesma coisa que os votos Nulos. Votos ANULADOS são invalidados pela Justiça Federal por irregularidades eleitorais como as citadas acima, alheias à vontade do eleitor, e mesmo por irregularidades que ocorrem no ato do voto, como o eleitor que vota em uma seção errada, por exemplo.
Postado do Blog #AcreditoNoBrasil:

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

PATO OU ÁGUIA TU É QUE DECIDES…

Rodrigo estava numa fila para poder ir para o aeroporto. Quando o taxista se aproximou, apercebeu-se logo que o táxi estava limpo e brilhante. O motorista bem vestido, com uma camisa branca, gravata preta e calças bem engomadas, o taxista saiu do carro, deu a volta e abriu a porta de trás do táxi.

Entregou-lhe um cartão plastificado que dizia: eu sou Willy, o seu motorista. Enquanto coloco a sua mala no porta-bagagens, gostaria que lesse a minha Missão.Depois de se sentar, Rodrigo leu o cartaz: Missão de Willy: “Fazer chegar os meus clientes ao seu destino final da forma mais rápida, segura e económica possível, presenteando-o com um ambiente amigável”.

Resultado de imagem para pato ou águiaRodrigo ficou estupefacto. Especialmente quando se deu conta de que o interior do táxi estava igual ao exterior, limpo e sem uma única mancha!!

Enquanto se acomodava ao volante, Willy disse-lhe:” Gostaria de tomar um café? Tenho termos com café normal e com descafeinado”. Rodrigo a brincar disse-lhe: “Prefiro um refresco”. Willy sorriu e disse: “Não tem problema, tenho uma geleira com coca-cola normal e diet, água e sumo de laranja”. Quase a gaguejar Rodrigo disse-lhe: ”Tomarei uma coca-cola diet”.Quando lhe entregou a bebida escolhida, Willy disse-lhe:” Se deseja algo para ler, tenho o Reforma, Esto, Novidades e Selecções…

Ao começar a viagem, Willy passou-lhe um novo cartão plastificado “estas são as estações de rádio que tenho e a lista de canções que tocam, se quiser ouvir rádio”.

E se isto já não fosse demasiado, Willy disse-lhe que tinha o ar condicionado ligado e perguntou se a temperatura estava bem para ele. Logo o avisou de qual seria a melhor rota para o seu destina àquela hora do dia. Também lhe deu conhecimento de que estava disponível para conversar com ele ou se preferisse, o deixaria só com as suas meditações…. 

“Diga-me Willy – perguntou-lhe surpreendido Rodrigo – sempre recebeste os teus clientes desta forma?Willy sorriu através do espelho retrovisor. “Não, não sempre. Só o tenho feiro desde há dois anos a esta parte. Durante os primeiros cinco anos , gastei a maior parte do tempo a queixar-me, tal como o resto dos taxistas. Um dia escutei um programa na rádio do Dr. Dyer, um guru de desenvolvimento pessoal. Ele tinha terminado de escrever um livro chamado O Poder da Intenção(?). Dyer dizia que se tu te levantares de manhã esperando ter um mau dia, seguramente que o terás, é pouco provável que não se cumpra. E ele dizia, ”Deixa de queixar-te. Sê diferente nas tuas competências. Não sejas um pato. Sê uma águia. Os patos só fazem ruído, as águias elevam-se acima do grupo”.

“Isto tocou-me aqui, no meio dos olhos,” disse Willy. “Dyer estava realmente a falar de mim. Eu estava sempre a fazer ruído e a queixar-me e então decidi mudar a minha atitude e ser uma águia. Olhei à volta para os outros táxis e seus motoristas… os táxis estavam sujos, os motoristas não eram amigáveis e os clientes não estavam contentes. Então decidi fazer algumas mudanças. Uma de cada vez. Quando os meus clientes responderam bem, fiz mais mudanças.”

“Nota-se que as mudanças te recompensaram”, disse-lhe Rodrigo. “Sim, claro que sim”, disse Willy. “No meu primeiro ano de águia dupliquei os meus resultados em relação ao ano anterior. Este ano provavelmente quadrupliquei. Você teve sorte em apanhar o meu táxi hoje. Normalmente já não estou na praça de táxis. Os meus clientes fazem reserva através do meu telemóvel ou deixam mensagens no correio de voz. Se eu não posso servi-los, consigo um amigo taxista águia confiável para que efectue o serviço”.

Willy era fenomenal. Estava a fazer um serviço de limusina num táxi normal.
Possivelmente contou esta história a mais de cinquenta taxistas e apenas dois aproveitaram a ideia e a desenvolveram. Quando vou às suas cidades, ligo para eles. O resto dos taxistas fazem barulho como patos e contam-me as razões porque não podem fazer nada de que lhe estava a sugerir.

Willy, o taxista, optou por uma alternativa diferente:Ele decidiu deixar de fazer barulho e de se queixar como os patos e voar por cima do grupo como as águias.

Não importa se trabalhas num escritório, num armazém, se és professor, um trabalhador público, político, executivo, empregado ou um profissional de qualquer área. Como é que te comportas? Dedica-te a fazer ruído ou a queixar-te? Estás a elevar-te acima dos outros?


Postado do Facebook:

Imagem:

terça-feira, 27 de setembro de 2016

NÃO, VOCÊ NÃO AMA OS SEUS AMIGOS!


A mensagem que você irá ler agora provavelmente faça suas máscaras caírem e sua vergonha ser evidenciada a você mesmo. As duas perguntas cruciais que devemos fazer a nós mesmos são: Como nosso amor por nossos amigos é? E como ele deveria ser?
Nós observamos nas Escrituras diversas formas e definições de como acontece e se dá o amor, assim como muitas maneiras de aplicá-lo. Mas o quanto isso é substancial para nosso cotidiano e nossas amizades? A Bíblia é bem clara no que tange nosso dever de amar a Deus sobre todas as coisas, mas compete ao mesmo amor dá-lo ao próximo (Mateus 22:37-39), não de mesma força e intensidade, mas similarmente ao que você tem por si mesmo. Então, diferentemente da afirmação do título, eu te pergunto: Por que você não ama a Deus suficientemente para amar ao próximo como a si mesmo?
Amar a Deus consiste em obedecer seus mandamentos (1 João 5:3). Significa entender que tudo o que está prescrito nas Escrituras a respeito de nossa conduta e nossas vontades devem ser o norte para nossas vidas. Não é devanear um romance com Cristo, como se Ele fosse um grande conquistador de corações, mas entender que nós precisamos renunciar nossos desejos e envolver nossa mente com os desejos de Deus. Entendido isto, vem a parte mais complicada de nossa vida cristã, que é amar de forma prática nossos amigos (e também nossos inimigos) que estão pecando compulsivamente.
Nós sabemos que todo aquele que permanece pecando, é filho do Diabo (1 João 3:8), que as reais consequências dos nossos pecados são a morte (Romanos 6:23). E ao pensar sobre o amor a Deus, o amor ao próximo e o que é o inferno, lugar onde Deus irá derramar sua ira (Deuteronômio 32:22), nós temos que agir, temos que passar a orar mais, a jejuar com mais frequência e colocar as meditações nas Escrituras em dia. Temos que aplicar tudo o que fazemos em nosso particular à nossa vida cotidiana para sermos capazes de influenciar nossos amigos que estão gradativamente traçando um caminho rumo ao inferno. Não podemos deixar que a vergonha ou o medo da exclusão nos impeçam de proclamar a Verdade, de mostrar aos nossos amigos que eles estão ofendendo a Deus e caminhando em direção ao sofrimento eterno. Se fecharmos nossa boca frente ao pecado do próximo, negligenciamos a principal ordem de Cristo que foi pregar o Evangelho (Mateus 28:19-20) e nos tornamos coniventes com sua ida ao inferno.
Em Ezequiel 3:18-19 nós podemos notar a importância em exortar quem quer que esteja pecando e nossa responsabilidade nesse processo:
"Quando eu disser a um ímpio que ele vai morrer, e você não o advertir nem lhe falar para dissuadi-lo dos seus maus caminhos para salvar a vida dele, aquele ímpio morrerá por sua iniquidade; mas para mim você será responsável pela morte dele. Se, porém, você advertir o ímpio e ele não se desviar de sua impiedade ou dos seus maus caminhos, ele morrerá por sua iniquidade, mas você estará livre de culpa."
E Gálatas 6:1-2 nos diz o cuidado que temos de ter nesses momentos:
"Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vocês, que são espirituais, deverão restaurá-lo com mansidão. Cuide-se, porém, cada um para que também não seja tentado. Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo."
Todos nós temos amigos que vivem enchendo a cara e ficando bêbados, que fazem sexo antes do casamento, que são homossexuais, traem suas esposas e namoradas, mentem, são egoístas, são sodomitas, desonram seus pais, roubam, e fazem tudo aquilo que ofende a santidade de Deus. É justamente para esses amigos que devemos nos dirigir e amar profundamente, mas esse amor não supõe tolerar essas práticas pecaminosas, mas alertar que o que estão fazendo fere o espírito deles e os conduzem à perdição eterna. Não podemos aliviar a verdade sabendo das reais condições de quem não a pratica.
Dizer a verdade a alguém quase sempre será uma das coisas mais difíceis em uma amizade. Isso porque ela sempre nos obriga mudar algo, ela nos exige uma mudança de rota, de posicionamento, de postura. Não finjamos ser fácil. Não é e não será. A sinceridade custa caro, porque aquele que ama diz a verdade, ainda que doa. E amar não é uma tarefa tão simples, excede o sentimentalismo. Mas nesse momento meditemos em cima da carta de Paulo aos romanos:
"Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego. Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: "O justo viverá pela fé". Portanto, a ira de Deus é revelada do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça" (Romanos 1:16-18)
Não engane a si mesmo e nem a quem você diz amar. Não se envergonhe, não se intimide de exortar alguém, antes sinta vergonha de não estar proclamando a Verdade porque você acredita que ser cristão significa agradar e ser legal com todos, respeitando suas individualidades de atitudes e ideias, porque provavelmente são elas que conduzirão essas pessoas ao inferno.
Que a graça de Deus nos inunde e o Espírito Santo nos encoraje a sairmos da zona de conforto e corrigir com amor todos os ímpios ao nosso redor, bem como nos proteger de cair em tentação para que possamos ser verdadeiros exemplos!

Agradecimentos: Gabriel Reis e Carol Souza pela contribuição de ideias e revisão.

Postado do Blog Convivendo com Deus:

domingo, 25 de setembro de 2016

ELEIÇÕES 2016: JUSTIÇA ELEITORAL FARÁ TRANSPORTE GRATUITO DE ELEITORES NA ZONA RURAL

Transporte-de-eleitores-18-09-14-567x340



A Justiça Eleitoral irá disponibilizar transporte gratuito para o deslocamento de eleitores na zona rural do município de Jequié. Os ônibus receberão identificação para facilitar a utilização por parte dos eleitores. Foi elaborado um total de oito roteiros para serem utilizados pelos eleitores. Os veículos não farão a interligação com a sede do município de Jequié. Os roteiros são os seguintes com saída sempre às 7h da manhã:
Roteiro 1Entroncamento de Jitaúna os transportes dos eleitores do Cajueiro e da Cachoeirinha, num total de três viagens:
Roteiro 2 – Da Vila Frisuba, passando pela Volta do Rio, Itajurú e Pista Renan Baleeiro, uma viagem;
Roteiro 3Saindo do Rio Preto do Costa, passando por Campo Largo, Emiliano e Florestal, uma viagem;
Roteiro 4 – Saindo da Marcela 1, passando por Marcela 2, Barrinha e Ponto Novo, uma viagem;
Roteiro 5Saindo da Barraquinha, passando por Morro Verde, Prainha e Curral Novo, uma viagem;
Roteiro 6  – Saindo da Prainha, passando por Barragem da Pedra e  Bar do Paraíba, uma viagem;
Roteiro 7Saindo do Riachão, passando por Palmeirinha,  Nova Esperança e Oriente Novo, uma viagem;
Roteiro 8 – Saindo do Poço d’Antas, Queimadas e Colégio Adolfo Ribeiro (São judas Tadeu), duas viagens.

Proibição – A legislação eleitoral vigente proíbe partidos políticos e candidatos  transportarem eleitores (da zona rural ou urbana) para o local de votação no dia da eleição, pois isso é crime eleitoral podendo ser considerada uma forma de influenciar e fazer propaganda, o que é proibido por lei. Os partidos políticos podem fiscalizar o transporte dos eleitores no dia do pleito. Para que não haja influência sobre os eleitores, a lei proíbe que veículos transportem eleitores desde o dia anterior até o dia posterior às eleições. São consideradas exceções: veículos que estejam em serviço para a Justiça Eleitoral; que sejam de linhas regulares e não tenham sido fretados; veículos particulares de uso individual para transporte do eleitor e sua família; veículos de aluguel em serviço normal sem propósito eleitoral.

FOTO BY: VALTER SANDOVAL O PROTESTANTE
https://www.facebook.com/sandoval.protestante/media_set?set=a.1117715068284461.1073742374.100001379355907&type=3

Postado do blog Jequié Repórter:
Jequié Repórter

sábado, 24 de setembro de 2016

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA NÃO PODERÁ COBRAR TAXA DE RELIGAÇÃO...

Coelba proibida de cobrar taxa de religação


coelba
Os consumidores da Coelba ficarão livres do pagamento da taxa de religação de energia elétrica no caso de corte do fornecimento por atraso no pagamento da fatura. A Lei Nº 13.578, sancionada em 14 de setembro, proíbe a concessionária de fazer essa cobrança nos 415 municípios (dos 417 do Estado) onde atua. A empresa tem 30 dias para se adequar à nova legislação. Ainda de acordo com a lei, a concessionária de energia elétrica da Bahia tem que, no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas, restabelecer o fornecimento sem qualquer ônus ao consumidor.  Por nota, a Coelba informou que de acordo com o que dispõe a Constituição de 1988 (art. 22) e a legislação setorial vigente (art. 29, da Lei nº 8.987/95), compete exclusivamente à União Federal legislar sobre o serviço de energia elétrica. Para estabelecer as condições gerais de fornecimento de energia elétrica, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), editou a Resolução nº 414/2010. Nos artigos 172 e 102 autoriza, respectivamente, a medida regula a suspensão no fornecimento de energia em caso de existência de débitos com as concessionárias de energia e a cobrança pelo serviço de religação. A Coelba finaliza afirmando que “assim como as demais distribuidoras do país, segue o que dispõe a Aneel no que diz respeito aos serviços prestados”.

Postado do Blog Jequié Repórter:
Jequié Repórter

terça-feira, 20 de setembro de 2016

LÍDER CEGO + OVELHA CEGA = ABISMO PARA OS DOIS.

Se algo não abençoa então amaldiçoa...

Ouvi uma história de um irmão que fez a seguinte pergunta a um pastor: “Meu pai é uma pessoa sincera, mas está numa igreja que não segue a palavra. O que acontecerá com ele?”. Esse pastor então lhe disse: “Jesus afirmou que se um cego guiar outro cego, ambos irão cair no barranco. Tanto o pastor cego que guia, quando o membro cego que é guiado”. Eu sei que parece duro, mas é a verdade.
“Por que você continua indo num lugar em que o pastor rouba o dinheiro do povo”, foi a pergunta feita a um irmão. Que respondeu nos seguintes termos: “Não me importa o que ele faz com o dinheiro, porque eu dou para Deus. Se ele rouba, problema é dele”. Mas isto é um grande engano, pois em Mt 23:19 Jesus diz que o altar santifica a oferta. Naquela época havia dois tipos de altar. Altares aos outros deuses e o altar que havia sido consagrado ao Senhor. De modo que se um altar consagrado abençoa o ofertante, um altar maldito amaldiçoa. 
Antes de dizer: Heverton, pare, por que ai daquele que se levanta contra o ungido! Continue lendo, ok? XD       

Quem consagra o altar? Em Nm 7, esta missão foi dada a Moisés juntamente com os cabeças de Israel. Portanto são os lideres do povo através de suas vidas santificadas que consagram o altar. Sendo assim, um pastor que anda de acordo com a palavra do Senhor é instrumento de benção, enquanto que aquele que vive em pecado só pode trazer desgraças para todos aqueles que estão com ele. Por causa de Jonas aqueles que permaneciam no mesmo barco estavam indo para o buraco. E olha que ele nem era um falso profeta, apenas um profeta desobediente. Agora, se um profeta que é de Deus, mas está em desobediência pode trazer maldição a quem vive sob sua liderança, quanto mais um lobo em pele de ovelha.         
Não existe nada neutro no mundo espiritual. Se algo não abençoa então amaldiçoa: “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt 12:30). Já ouviu aquela frase; “Diga-me com quem tu andas e eu te direi quem tú és”? Pois bem; ela não é bíblica, mas é verdadeira. Até na lei dos homens, se você é pego com um ladrão, mesmo sem ser participado do crime poderá responder como cúmplice.          
Não podemos abandonar nossos lideres por conta de um deslize, pois quem não tiver pecado que atire a primeira pedra. Porém isto não quer dizer que só porque alguém é pastor ele tem o direito de permanecer no erro. Portanto, este negócio de seguir seu líder cegamente é um perigo que pode te levar para o mesmo abismo que ele.          


Autor: Pr. Rodrigo David Mocellin       
Edição: Heverton de Oliveira



Postado do Blog Irresgatar:

domingo, 18 de setembro de 2016

SERVIDORES PÚBLICOS NÃO SÃO LADRÕES

Juiz Edu Perez - TJGO

Resultado de imagem para TJGO
Para meu espanto, hoje me deparei com uma frase supostamente dita pelo Sr. Luis Inácio Lula da Silva, a saber:
“O político, por mais ladrão que seja, todo ano tem que enfrentar o povo, sair na rua e pedir voto. O funcionário público não. Ele faz concurso e fica lá, com o cargo garantido, tranquilo”
Eu fiquei em dúvida se era verdade, já que tem tanta mentira por aí sendo espalhada. Chegaram a inventar, vejam só, que os procuradores tinham dito não possuir provas contra o Sr. Luis Inácio, somente convicção, o que é uma tremenda inverdade. Não se pode mesmo acreditar em tudo na internet.
Verdade ou mentira, fiquei aqui pensando se essa frase faz sentido.
Eu estou Juiz de Direito, aprovado em concurso público, também em outros cargos antes de lograr esta graça. Como a memória da gente é falha, eu me esforcei para lembrar como foi o processo.
Conferi, cuidadosamente, se eu não tinha sido financiado por alguma empreiteira. Também verifiquei se eu não tinha obtido meu cargo desviando dinheiro de alguma empresa pública, fazendo aí um caixa dois para me apoiar. Pode ser a idade, mas não me veio à memória disso ter acontecido.
O que me recordo é do esforço dos meus avós, dos meus pais e dos meus familiares, mas muito esforço mesmo, para garantir educação, sem luxos. Também não me é familiar ter participado de esquemas ou ajustes partidários. Não dava tempo, saindo de casa para trabalhar às sete da manhã e voltando às nove, dez horas da noite, só com o horário do almoço para abrir os livros e enfrentar o escárnio.
Eu lembro de ter estudado muito, da frustração em razão do pouco tempo, das dúvidas se algum dia eu chegaria lá. Eu me recordo bem do dia da minha prova oral, num estado onde não conhecia ninguém, tremendo diante dos examinadores de uma banca absolutamente imparcial presidida pelo Desembargador Leandro Crispim.
Quem sabe estaria mais calmo se eu tivesse feito coligação, se uma mão lavasse a outra, se algum ajuste, talvez aquele esquema... Mas não daria certo. Veja você que eu estava prestando um concurso público e até a fase oral eu não tinha rosto, e  a banca (que injustiça!) também era formada quase que absolutamente por gente concursada, magistrados aprovados em um concurso semelhante.
Não iria adiantar caixa dois, apoio parlamentar, conversa de bastidor. Eu estava ali para ser examinado imparcialmente pelos meus conhecimentos. Era só Deus e eu.
Vai ver, pensei, que meu caso é um daqueles fora da curva, uma das tais histórias malucas. Quem sabe a regra não fosse a interferência política e econômica nos concursos?
Conversei com vários colegas juízes e, fato estranho, todos confirmaram que não fizeram caixa dois, nem coligação, nem tiveram conversas de bastidores. Estudaram, com muito esforço, alguns com privação, e foram aprovados em um concurso impessoal e imparcial.
Para não dizer que é coisa de juiz, essa tal elite, falei com meus amigos procuradores, promotores, escreventes, oficiais de justiça,  policiais civis e militares, delegados, professores, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e tantos outros aprovados em concurso público de provas e títulos.
Todos deram a mesma resposta: lograram êxito após muito estudo, de forma limpa e transparente.
"Mas nenhuma empreiterazinha?", insisti. "Quem sabe alguma verba de empresa pública?". Não. Foi estudo mesmo.
O mais curioso é que todos tiveram que apresentar certidão de antecedentes criminais, logo, nenhum podia ser ladrão. Nem ladrão, nem outra coisa. Algumas carreiras fazem sindicância de vida pregressa. Ai do candidato que não possui um passado ético, com certeza não entraria pela estreita porta do concurso público.
Aproveitei e, ainda meditando sobre a frase, me peguei pensando se todo ano, ou melhor, a cada quatro anos (alguns, oito), eu precisava enfrentar o povo.
Realmente, se o Sr. Luis Inácio disse isso, ele está certo. Eu não enfrento o povo anualmente. Aliás, eu não enfrento o povo. Não tenho medo da minha gente, nem litígio com ela. Eu sou povo também. Pode parecer surpresa, mas concursado faz parte da nação.
Eu não enfrento, eu atendo. Eu recebo preso. Eu recebo mãe de preso, pai, vó, filhos, esposa de preso. Recebo conselheiro tutelar. Recebo advogado. Recebo as partes também. Ouço a vítima do crime, ou, em situações mais tristes, os que sobreviveram a ela. Eu vejo o agrícola que vai pedir para aposentar. Vejo o cidadão que não tem medicamento, da mãe que busca escola pro filho, o neto que busca uma vaga de UTI pro avô.
Eu cansei de ver o piso do fórum gasto de passar tanto calçado, de chinelo usado a sapato caro, de gente que vê no Judiciário seu único porto seguro. Gente que não conseguiu vaga em escola, em creche. Que não conseguiu remédio. Que se acidentou na estrada esburacada. Que trabalhou nesse calor inclemente do Centro-Oeste por quarenta anos ou mais, com a pele curtida de sol, e quando foi pedir aposentadoria disseram a ele que não tinha prova. Não sou quiromante, mas eu aprendi a ler a mão e o rosto desse povo. Aprendi a falar a língua deles, não porque eles vão votar em mim, mas porque é minha obrigação para aplicar a lei.
Essa mesma gente que os políticos enfrentam (enfrentam, vejam vocês!), segundo a tal frase, eu atendo todo dia. É meu dever, e com que prazer eu realizo esse dever!
Eu atendo essa gente que vem acreditando há décadas nesses políticos que, como um fenômeno natural, aparecem apenas de forma episódica e em determinadas épocas. Um povo que acreditou que teria saúde, educação, segurança, lazer, trabalho, aposentadoria, dignidade e tantos direitos básicos só por serem gente, mas não tem.
Esse mesmo povo que vota, que deposita na urna sua esperança, a recolhe depois despedaçada, cola o que dá e procura o promotor ou o defensor público, servidores concursados, quando não um nobre advogado dativo ou pro bono, para pedir ao juiz esse direito sonegado. São os concursados que garantem esse direito.
São os juízes que aplicam a lei criada pelos políticos eleitos para o Legislativo, e nessas horas em que a lei é dura e talvez não tão justa, quando devemos fazer valer o seu império, só nos resta ouvir e consolar.
Juízes, é preciso dizer, não são máquinas, porque nessas engrenagens desprovidas de coração que formam o sistema, é a nossa alma que colocamos entre os dentes do engenho para aplacar seu cruel atrito.
E quando estamos sozinhos, nós sofremos, nós choramos, porque lidamos também com a desgraça do povo, do nosso povo, do povo do qual fazemos parte e que não enfrentamos, mas atendemos.
Perguntei aos meus amigos promotores, defensores, escreventes, analistas, oficiais de justiça, professores, policiais, guardas civis metropolitanos, agentes carcerários, bombeiros, militares, médicos, agentes de saúde, enfermeiros e tantos outros, se eles por acaso enfrentavam o povo, mas me disseram que esse povo eles faziam era atender.
É também a alma deles que lubrifica essa máquina atroz que é o sistema.
É à custa da alma do concursado que o Estado se humaniza. Que o digam nossas famílias, nossos amigos... que digamos nós, quando abrimos mão de tanta coisa para cumprir nossa missão, quando para socorrer um estranho muitas vezes alguém próximo a nós precisa esperar.
Forçoso que se concorde, nós não enfrentamos o povo a cada dois, quatro anos. Nós o atendemos dia e noite, nós olhamos seu rosto, tentamos aplacar sua angústia em um país em que tudo falta, quando um médico e sua equipe não tem nem gaze no hospital público.
E fazemos isso porque amamos nossa profissão, seja ela qual for, não porque precisamos de votos. Nós chegamos onde chegamos com dedicação, não com esquemas, e sem lesar o patrimônio público ou a fé da nação.
São servidores públicos concursados que estão descobrindo as fraudes que corroem nosso Brasil, do menor município à capital do país, e serão servidores públicos concursados a julgar tais abusos. São servidores públicos concursados que patrulham nossas ruas, que atendem em nossos hospitais, que ensinam nossas crianças.
Nós não precisamos prometer nada para o povo, nós agimos.
Realmente, é preciso temer pessoas que possuem um compromisso com a ética, não com valores espúrios.

#servidorespublicosnaosaoladroes

Texto Divulgado via WhattsApp.
Imagem:
http://www.jlsuplementos.com.br/tjgo-consulta-processual-criminal-primeiro-e-segundo-grau/